Rádio Observador

Turismo

Norte Conjuntura revela níveis de crescimento recorde no turismo da região

O turismo no Norte alcançou no primeiro trimestre de 2016 "níveis de crescimento e taxas de ocupação nunca antes registados", com o número de dormidas a crescer 22,4% face ao período homólogo de 2015.

JOSÉ COELHO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O turismo no Norte alcançou no primeiro trimestre deste ano “níveis de crescimento e taxas de ocupação nunca antes registados”, com o número de dormidas a crescer 22,4% face ao período homólogo de 2015, revela o relatório Norte Conjuntura.

“Turismo na região do Norte bate recorde de crescimento”, sublinha em comunicado a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N), responsável pelo relatório trimestral.

Ainda de acordo com a CCDR-N, “pela primeira vez, o número de hóspedes nos estabelecimentos hoteleiros cresceu 18,2% e o de dormidas 22,4% face ao trimestre homólogo de 2015”.

O estudo revela ainda que “quanto aos proveitos de aposento e proveitos totais, observaram-se variações homólogas de 31,8% e 27,2%, respetivamente, alcançando os crescimentos mais acentuados desde o 2.º trimestre de 2004, momento de realização do Euro 2004 em Portugal”.

O relatório destaca ainda que durante o primeiro trimestre “verificou-se uma estagnação do emprego, com uma variação homóloga de apenas 0,1%”, realçando tratar-se de um “contexto caracterizado, ao nível nacional, pelo abrandamento do crescimento económico e pela quebra do investimento”.

Ainda assim, assinala, “a taxa de desemprego diminuiu, refletindo sobretudo a descida da taxa de atividade”.

Na região Norte a taxa de desemprego cifrou-se em 13,3%, valor que compara com 13,5% no trimestre precedente e com 14,2% no período homólogo do ano passado. Esta descida, revela o relatório Norte Conjuntura, “é inteiramente explicada pela queda do desemprego feminino”.

“Na média do 1.º trimestre de 2016, os municípios que mais contribuíram para a variação homóloga negativa do desemprego registado na região do Norte foram Vila Nova de Famalicão e a Maia, ambos com cerca de 1.150 desempregados a menos do que no período homólogo do ano anterior”, indica.

Já no plano nacional, a taxa de desemprego no 1.º trimestre de 2016 foi de 12,4% (contra 12,2% no trimestre anterior e 13,7% há um ano).

No primeiro trimestre de 2016, a generalidade dos indicadores disponíveis relacionados com o consumo privado “apresentou uma evolução positiva, na Região do Norte”, com o crédito ao consumo a exibir uma “ligeira variação positiva (+0,4 %)”.

Já ao nível da atividade industrial, o Norte Conjuntura revela “sinais de algum abrandamento na Região do Norte”, com a exportação de bens por parte de empresas desta região a conhecerem, no 1.º trimestre de 2016, “um crescimento mais moderado (variação homóloga nominal de 4,4%, contra 7,4% no trimestre anterior)”, mantendo porém uma “tendência positiva.

Quanto aos indicadores relacionados com o investimento em construção e com o crédito à habitação, estes “apresentaram uma tendência negativa”, ao contrário da importação de bens de capital e de automóveis onde se observou “uma tendência positiva”

Nos primeiros três meses do ano, o “crédito à economia (famílias e empresas) continuou em queda (-3,0%, em termos homólogos), com o crédito às empresas a apresentar uma redução mais intensa (-4,7%)”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Identidade de Género

Minorias de estimação /premium

Laurinda Alves

No dia em que as casas de banho das escolas forem obrigatoriamente abertas a rapazes e raparigas de todas as idades, as agressões vão escalar e a “pressão dos pares” poderá ser ainda mais perversa.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)