O “profissionalismo e altruísmo” do piloto belga que morreu na queda de uma aeronave no Alentejo, no domingo, terão “contribuído” para evitar “mais fatalidades” no acidente, segundo o grupo proprietário da empresa de paraquedismo promotora do voo.

Em comunicado enviado à agência Lusa, à tarde, o Grupo 7Air e a empresa de paraquedismo Skyfall enalteceram “o profissionalismo e altruísmo do piloto”, a única vítima mortal da queda da aeronave e que vai ser autopsiado, na terça-feira, seguindo depois o corpo para o seu país de origem, a Bélgica. Com “a sua ação”, o piloto “terá contribuído, de acordo com testemunhos recolhidos, para que não se registassem mais fatalidades”, sublinhou o Grupo 7Air, lamentando “profundamente o seu desaparecimento”.

Fonte do Grupo 7Air revelou à agência Lusa que o corpo do piloto, de 27 anos, “foi encontrado com o paraquedas colocado”, equipamento que também estava a ser usado pelos sete paraquedistas que seguiam na aeronave