A China construiu o supercomputador mais rápido do mundo recorrendo apenas a ‘microchips’ fabricados no país, conseguindo posicionar-se assim pela primeira vez no topo da indústria sem utilizar tecnologia norte-americana, revelou uma pesquisa.

O Sunway TaihuLight é duas vezes mais rápido do que o anterior recordista, que foi fabricado na China com chips da firma norte-americana Intel, indicou o estudo Top500, publicado no portal supercomputadores www.top500.org.

Com 167 supercomputadores, o país asiático ultrapassou também os EUA pela primeira vez em número total daquelas máquinas, indica a pesquisa.

O Sunway TaihuLight opera no centro nacional da China para supercomputadores, na cidade de Wuxi, leste do país, e será utilizado para modelização climática e pesquisa científica.

A sua performance acaba com a “especulação de que a China precisará de depender de tecnologia ocidental para competir efetivamente no alto nível da supercomputação”, refere a pesquisa.

Os supercomputadores que fazem parte daquela lista, que é realizada anualmente, são classificados de acordo com a velocidade atingida num teste conduzido por especialistas da Alemanha e EUA.

Entre os dez computadores mais rápidos do mundo, dois estão na China, quatro nos EUA, e os restantes no Japão, Alemanha, Suíça e Arábia Saudita.

A China tem realizado grandes investimentos nas áreas da ciência e tecnologia, ilustrando a transição económica preconizada por Pequim, que prevê a transformação do país num líder do setor tecnológico.

Para este ano está ainda prevista a abertura do maior radiotelescópio do mundo, no sudeste do país, segundo a imprensa estatal.