Lazer

Ó São João, dá cá uma sugestão (ou seis) para eu brincar

Sim, adulterámos a canção símbolo da festa de São João. Mas por uma boa causa. Onde comer sardinhas no Porto sem ficar como sardinha em lata? Que bailarico escolher? Onde lançar balões? Saiba aqui.

Dos sítios para ver o fogo de artifício aos martelinhos, que nada lhe falte na quinta-feira, 23 de junho.

Andreia Reisinho Costa

São João pode nem sequer ser o padroeiro oficial do Porto, mas é ele quem tem direito a feriado e à maior festa da Invicta. Na quinta-feira, quando o sol se começar a pôr, milhares de pessoas vão encher o centro histórico para dançar grandes êxitos de música popular nos muitos bailaricos. O cheiro a sardinha assada vai entrar por muitos narizes adentro e o som dos martelinhos de plástico vai ser a banda sonora principal, só abrandando à meia-noite, para se ver o espetáculo de fogo-de-artifício musicado com toda a atenção. Os símbolos da festa já se conhecem. Mas onde é que se pode usufruir melhor de tudo isto? O espírito festivo apoderou-se de nós e, de manjerico ao lado do teclado, partilhamos alguns locais onde se pode viver o melhor do São João.

1 – As sardinhas

SaoJoao_sardinhas

São as rainhas de qualquer festa portuguesa de Santos Populares e, na noite de São João, até restaurantes onde só se come carne instalam à porta um braseiro para servir o peixe azul, com pimentos a acompanhar. A maior parte das pessoas não teme a confusão e dirige-se para a Ribeira e para o Cais de Gaia, mas há outras opções.

Por esta altura já está quase tudo reservado, mas o restaurante do Tattva Design Hostel (Rua do Cativo, 26-28, Baixa), ainda aceita marcações para o menu de chouriço assado, azeitonas e tremoços, sardinha assada, febras grelhadas, saladas, broa de milho, caldo verde e buffet de sobremesas. Tudo por 25€, com as bebidas incluídas e bom ambiente no terraço. No final, há lançamento de balões de São João.

blini

O chefe Cordeiro abriu as portas do Blini a 21 de junho. (foto: © Divulação)

Quem procura um ambiente mais requintado vai ter dificuldades extra, uma vez que restaurantes como o Vinum, das caves Grahams, ou o Barão de Fladgate, das caves Taylor’s, há muito que estão lotados, pela vista que oferecem. Yeatman então, nem pensar. Mas há uma surpresa: o chefe Cordeiro abriu esta terça-feira a marisqueira Blini (Rua General Torres, 344, Vila Nova de Gaia) e ainda não tem a sala cheia. Depois do repasto, o melhor é ficar para ver o fogo-de-artifício, já que o rio e a Ponte D. Luís I estão no horizonte.

o guindalense

As sardinhas comem-se de pé, em convívio com toda a gente, como um bom bailarico deve ser. No Guindalense, a vista é desafogada. (foto: © Divulgação)

Uma das melhores opções é, sem dúvida, O Guindalense. A sede do clube fica situada na Escada dos Guindais, tem dois pisos e uma vista privilegiada sobre o rio, o que quer dizer que, para além de comer e beber, o cliente já fica posicionado para ver o tradicional fogo-de-artifício. Ao contrário de edições anteriores, em que tudo já estaria reservado há mais de um mês, este ano O Guindalense não aceita reservas. É chegar, agarrar nas sardinhas e nos pimentos, aproveitar a animação e não temer grandes ajuntamentos (vai encher, é certo). Também não haverá mesas, tornando o ambiente num bailarico praticamente privado. O preço da dose das sardinha é que ainda não se sabe. “O presidente anda não nos comunicou”, dizem-nos ao telefone. Mas os valores ali são sempre muito amigos da carteira.

2 – O fogo de artifício

SaoJoao_fogo

Por falar em fogo-de-artifício, ao soar das 12 badaladas o céu sobre o rio Douro e a Ponte D. Luís I sofre o efeito inverso da Cinderela e fica ainda mais bonito. Este ano, o espetáculo piromusical (de acordo com a Câmara Municipal do Porto, vai custar 54.900 euros e a despesa será dividida com a autarquia de Vila Nova de Gaia) vai durar 16 minutos. Promete-se uma viagem pelo rock nacional e internacional, começando com “Thunderstruck” dos AC/DC, seguido de Pink Floyd, Scorpions, Guns N’ Roses, Rolling Stones e Queen, e terminando com a “Minha Casinha”, dos Xutos e Pontapés.

Mais uma vez, quem não for claustrofóbico pode ir para a Ribeira ou para o Cais de Gaia, os melhores locais públicos para ver o fogo, a seguir aos barcos que estão no rio (todos esgotados por esta altura). A Sé do Porto vem em terceiro lugar nas escolhas, ideal para quem gosta de ver o espetáculo mais próximo das alturas.

fogo de artificio camara municipal do porto sao joao

O espetáculo pirotécnico vai prolongar-se por 16 minutos e o fogo vai dançar ao som do rock. (foto: © Câmara Municipal do Porto)

Quem preferir um ambiente mais calmo pode subir ao 17.º, o restaurante e bar do Hotel Dom Henrique Downtown. As reservas para a refeição já foram todas feitas, mas o bar ainda tem espaço na agenda para quem procura “muita animação, vistas esplêndidas sobre a cidade e o céu mais iluminado do ano, um ambiente acolhedor, festivo e de referência”, como prometem os responsáveis. O DJ residente Ricardo Amorim vai estar de serviço.

3 – Os bailaricos

Parece que músicas como “O Melhor Dia Para Casar” ou “Baile de Verão” foram feitas a pensar nesta altura. Os elitismos musicais têm de ficar em casa porque, em noite de São João, quase ninguém resiste a dançar ao som da chamada música pimba ou a entrar no comboio de gente que se forma assim que começa a tocar o acordeão de Quim Barreiros. Há bairros que têm uma banda em palco a tocar estes e outros sucessos, com as Fontainhas à cabeça. Quem tiver Banda Lusa ou Diapasão no seu bairro ganha.

Nos Arcos de Miragaia há sempre festa, assim como em Massarelos e no Largo de Nevogilde. A Praça D. João I tem palco montado e carrinhas de comes e bebes há já alguns dias. Quem se quer distanciar um pouco do centro tem na Rotunda da Boavista uma boa opção, com vários divertimentos para crianças.

4 – Os martelinhos

SaoJoao_martelos

Seja pequeno, de tamanho respeitável ou assustador, o que interessa é ter um. Os martelos de plástico que as pessoas levam na noite de São João para bater na cabeça de desconhecidos são a imagem de marca da festa no Porto, ainda que não conste que São João Baptista andasse a bater com tal objeto em cabeças alheias.

Quem não tem um não precisa de ir a correr comprar, pois vão estar à venda em cada esquina. Os interessados no trajeto clássico de batidelas podem partir dos Aliados e descer até à Ribeira. A partir da uma da manhã, é começar a caminhar em direção à Foz, como fazem milhares de resistentes. Pelo caminho há que contar com algumas marteladas na cabeça, barracas de farturas e música — há sempre bailarico no coreto do Passeio Alegre.

sao joao porto

A largada de balões de fogo é uma das atividades favoritas da festa. Quem quiser aprender deve dirigir-se ao Espaço Maus Hábitos. (foto: © Pedro Figueiredo / CMP)

5 – Os concertos

SaoJoao_concertos

Os Xutos e Pontapés são o nome maior da noite, ao darem o habitual concerto gratuito na Avenida dos Aliados, pela 01h00. Antes, às 22h30, sobe ao palco a dupla de DJs Freshkitos, para aquecer a multidão e fazer da sala de visitas da cidade uma pista de dança.

O Mercado Bom Sucesso promete DJ sets a partir das 18h00 e até à meia-noite, com interrupção às 21h30 para um concerto da banda Sonjovem.

Já a zona Oriental da cidade ganhou este ano um palco em Campanhã, com divertimentos e uma série de espetáculos ao vivo, na Estação de Recolha dos STCP de São Roque.

Para sons mais sinfónicos, a Casa da Música organiza o tradicional concerto de São João, às 22h00, com a Banda Sinfónica Portuguesa. Os sons serão mais festivos e até haverá uma gaita-de-foles em palco. A entrada é gratuita, mas é preciso levantar bilhetes antes.

6 – Os balões

SaoJoao_baloes

Este ano, o São João faz-se com temperaturas quentes de verão. Tantos balões de fogo a voar nos céus podem fazer temer o pior no que toca a incêndios, mas confiemos que tudo correrá pelo melhor: quem quiser ver uma largada de balões pode fazê-lo às 23h45 no Mercado Bom Sucesso, por exemplo.

Quem gostava de fazer uma largada de balões, mas não sabe como se faz, tem na 3.ª edição do projeto São João Baloeiro a solução. O Espaço Maus Hábitos (Rua Passos Manuel, 178) tem workshops até quinta-feira e, na grande noite de São João, vai largar 250 balões para o céu, entre a meia-noite e as duas da manhã, em frente à Câmara Municipal. Vale a pena passar por lá.

Se nenhuma destas sugestões lhe enche as medidas, o melhor é consultar o programa completo das festas de São João.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Cancro

Dia Internacional das Crianças com Cancro

João de Bragança
1.144

O mundo doloroso das crianças e jovens com cancro é isto: a falta de leis, de apoios sociais, de condições ou de políticas, o excesso de protagonismos ou de pequenas lutas próprias.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)