Em entrevista à agência Lusa, a porta-voz do partido, Catarina Martins, sustenta que o Bloco que se apresenta na convenção deste fim de semana “é um Bloco um pouco diferente”, não na essência da proposta política mas na sua dimensão.

“É claramente um Bloco maior, com mais gente”, numa fase de “enormes responsabilidades”, por via do acordo parlamentar com o PS que – ao lado de outros acordos dos socialistas com outros partidos à esquerda – viabiliza o atual Governo.

“Temos enormes responsabilidades hoje, maiores, com o que isso tem de bom: significa que o Bloco tem mais capacidade de determinar o que acontece no país”, diz Catarina Martins, reconhecendo que há inevitavelmente “dificuldades” em todo o processo, até porque “o Governo não é do BE, é do PS”.

De todo o modo, e após a aprovação do OE deste ano, os bloquistas dizem que há agora um “debate difícil” em torno do documento do próximo ano, lembrando a porta-voz do partido os “três pilares” do acordo firmado com o PS: recuperação de rendimentos, proteção das relações de trabalho e manutenção do estado social com travão às privatizações.

“Há uma parte de recuperação de rendimentos que precisa de novas medidas a cada ano que passa”, adverte Catarina Martins, que destaca neste ponto os pensionistas.

E realça: “Se no orçamento anterior o que foi feito foi parar os cortes de 600 milhões de euros que a direita já tinha prometido a Bruxelas”, a verdade é que “as pessoas foram protegidas de cortes mas não sentiram como é que faziam face à inflação”, por isso há que “responder” aos anseios dos portugueses, nomeadamente os pensionistas.

“É uma discussão complicada que exige recursos do Estado”, reconhece contudo Catarina Martins.

O BE implementou com o PS um conjunto de grupos de trabalho que abordam várias áreas – da dívida ao combate à precariedade, passando pela habitação ou reforma fiscal -, e várias medidas a nível de legislação laboral, direito à habitação e alterações à renda apoiada foram já entretanto viabilizadas antes mesmo do OE do próximo ano, sinalizou a porta-voz do BE.

A moção conjunta que as principais tendências do BE levam à convenção deste fim de semana sustenta que a dívida pública e a dívida do sistema financeiro permanecem “as maiores ameaças às contas do Estado e constituem os maiores problemas estruturais das contas nacionais” de Portugal.

A X Convenção do Bloco de Esquerda irá realizar-se em Lisboa, no sábado e no domingo, sendo antecedida na sexta-feira à noite por uma sessão internacional com o mote “O tempo dos movimentos na Europa”.

O encontro tem a particularidade de ser a primeira Convenção bloquista que se realiza desde que o partido formalizou, com o PS, um acordo parlamentar que foi fundamental para garantir a chegada ao poder no final do ano passado do executivo socialista liderado por António Costa.

O mote da X Convenção é “Mais força para vencer”.