O Novo Banco propõe-se a readquirir obrigações contra numerário, num montante total de até 500 milhões de euros, e convida os obrigacionistas a apresentarem propostas de venda, num comunicado publicado, esta manhã, na Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

O Novo Banco propõe aceitar para a aquisição nos termos das Ofertas um montante nominal agregado de Obrigações aceites para a aquisição de acordo com as Ofertas (excluindo os Juros Corridos) de forma a que o valor em Euros e/ou Equivalente em Euros (conforme definido no Memorando de Oferta) do montante total a pagar (o“Montante Total a Pagar”) pelo Novo Banco por todas as Obrigações não exceda os €500,000,000 (ou qualquer montante superior ou inferior que o Novo Banco possa determinar, com total discricionariedade) (“Fundos Totais Disponíveis”)”, pode-se ler no comunicado.

O Novo Banco deixa ainda claro que vai seguir o procedimento de leilão holandês não modificado, o que significa que o preço que o banco irá pagar por estes títulos, com maturidade entre 2019 e 2022, será “igual ou superior ao Preço Mínimo de Compra, acrescido dos Juros Corridos (encontrando-se todas estas expressões definidas neste documento)”.

A instituição explica que estas ofertas, “que foram autorizadas pelo Banco de Portugal em 3 de junho de 2016, são uma
das medidas contempladas no plano de negócios e que tem por objetivo reforçar a posição de capital do Novo Banco, bem como melhorar a sua margem financeira futura”.

As Ofertas têm início esta quinta-feira, 23 de junho de 2016, e terminam às 16h00 do dia 29 de junho de 2016, “salvo se prorrogadas, reabertas ou resolvidas nos termos previstos no presente Memorando de Oferta”.