“Adjö” Saab, que é como quem diz “adeus Saab” em sueco. A New Electric Vehicle Sweden (NEVS), construtor sueco de capitais chineses, decidiu por fim à tentativa de utilizar o nome Saab como marca dos seus veículos, após extensas e intensas negociações.

Recordemos que a marca sueca faliu em 2011, após o divórcio com a GM, ocasionado pelos problemas financeiros do gigante americano, que na Europa possui igualmente a Opel e a Vauxhall. A NEVS adquiriu na altura a maioria dos activos da Saab, à excepção da marca e do logótipo, propriedade de uma firma de advogados e do fabricante de camiões Scania. Ainda assim, o fabricante de veículos eléctricos sueco assinou um acordo que lhe permitiu utilizar a marca, mas não o logótipo, nos seus modelos, direito que perdeu em 2014, quando também ele foi vítima de dificuldades financeiras.

A NEVS anunciou agora que os veículos que vai continuar a produzir na antiga fábrica da Saab, em Trollhättan, terão emblema NEVS. A gama será, numa fase inicial, composta apenas pela versão eléctrica do antigo Saab 9-3, mas em breve vai ser lançada uma família de novos produtos, todos eles construídos sobre a nova plataforma Phoenix, que a Saab já tinha em adiantada fase de desenvolvimento em 2011, quando entrou em bancarrota.

O 9-3 eléctrico, de que já foram produzidas as primeiras unidades, será fabricado em série em 2017 e destinado ao mercado chinês, fruto da aliança da NEVS com os chineses da Dongfeng. Os novos modelos, a surgir apenas em 2018, incluirão três SUV e uma berlina familiar com tejadilho retráctil. Claro está, todos eles eléctricos.