O voto foi para decidir entre o Brexit e o Bremain e os mais de 46 milhões de eleitores britânicos chamados às urnas decidiram pela não-continuação do Reino Unido como membro da União Europeia (UE). O jornal espanhol La Razón fez uma cronologia das relações entre o Reino Unido e da UE em 24 datas. Eis um resumo de 65 anos de relações:

18 de abril de 1951

A França, a República Federal da Alemanha, a Itália, a Bélgica, a Holanda e o Luxemburgo fundam a Comunidade Europeia do Carvão e do Aço (CECA).

25 de março de 1957

Os seis países assinam em Roma a criação da Comunidade Económica Europeia (CEE) e da Comunidade Europeia da Energia Atómica (EURATOM).

Agosto de 1961

Harold Macmillan, à época o primeiro-ministro britânico conservador, apresenta o pedido de adesão do Reino Unido à CEE.

Janeiro 1963

O pedido do Reino Unido de adesão à CEE é recusado, devido à oposição do presidente francês Charles De Gaulle que formalizou o veto da França.

27 de novembro de 1967

O primeiro-ministro trabalhista Harold Wilson faz novo pedido de adesão à CEE, pedido que volta a ser vetado mais uma vez pelo general De Gaulle.

1 de janeiro de 1973

O Reino Unido, a Dinamarca e a Irlanda aderem à CEE.

5 de junho de 1975

É convocado um referendo para ouvir as opiniões dos cidadãos britânicos acerca da presença na CEE. A consulta popular decidiu pelo “sim”, com 67 por cento dos votos.

Julho de 1978

É acordada a criação do Sistema Monetário Europeu (SME), que entra em vigor em março de 1979, mas do qual o Reino Unido rejeita participar.

Agosto de 1984

Margaret Thatcher consegue obter o chamado “cheque britânico”, um acordo que permite ao Reino Unido receber da CEE a diferença entre a contribuição do país para os fundos europeus e o que recebe em troca.

7 de fevereiro de 1992

Os doze países-membros assinam o Tratado de Maastricht, incluindo o Reino Unido, mas o país beneficia de uma cláusula de exceção que lhe permite ficar fora da União Económica e Monetária (que deu origem à moeda única e à zona euro).

26 de março de 1995

Entra em vigor do Tratado de Schengen que suprime as fronteiras terrestres entre os países membros da União Europeia. Reino Unido e Irlanda negoceiam exceções e rejeitam fazer parte do chamado espaço Schengen.

1 de janeiro 1993

Entra em vigor do mercado único europeu que promove a livre circulação de bens, serviços e capital.

1 de novembro de 1993

Nasce oficialmente a União Europeia (UE) com a entrada em vigor do Tratado de Maastricht.

1 de janeiro de 2002

O euro entra em circulação em 12 dos 15 países membros como o Reino Unido, Suécia e Dinamarca a recusar usar a moeda comum.

29 outubro 2004

Os 25 Estados-membros assinam o Tratado de Roma na capital italiana, que estabelece uma constituição para a Europa.

29 de maio de 2005

A Constituição Europeia foi rejeitada por 54.67% dos franceses em referendo. No dia 1 de junho do mesmo ano, 61,5% dos holandeses pronunciaram-se no mesmo sentido. Após estes resultados o Reino Unido cancelou o referendo sobre a constituição da UE.

1 de dezembro de 2009

Entra em vigor o Tratado de Lisboa, no contexto do qual fica definido que a UE tem personalidade jurídica para assinar acordos internacionais a nível comunitário.

Dezembro de 2011

O Reino Unido é o único estado-membro da UE que se opõe ao pacto europeu para reforçar a disciplina fiscal e combater a crise económica.

2 de março de 2012

Os países da União Europeia — com exceção do Reino Unido e da República Checa — assinam o “Tratado de Estabilidade, Coordenação e Governação na União Económica e Monetária”, selado com o compromisso comum para com a disciplina orçamental.

23 de janeiro de 2013

O primeiro-ministro britânico David Cameron anuncia que vai convocar um referendo sobre a permanência do país na UE, em caso de ser reeleito nas eleições de 2015.

26 de maio de 2014

O Partido para a Independência do Reino Unido (UKIP) vence as eleições europeias com 26,77% dos votos.

7 de maio de 2015

David Cameron do Partido Conservador vence as eleições gerais por maioria absoluta, com 330 das 650 cadeiras na Câmara dos Comuns do Parlamento de Westminster.

20 de fevereiro de 2016

O Reino Unido acorda uma série de reformas com a União Europeia que entrarão em vigor se o país permanecer como Estado-membro. Na sequência do acordo, David Cameron marca para 23 de junho o referendo sobre se o Reino Unido deveria ficar ou sair da União Europeia.

24 de junho 2016

O Reino Unido vota em referendo a saída da União Europeia e na sequência da vitória do não, David Cameron pede a demissão.