Rádio Observador

Escolas

Aulas em dois semestres e não três trimestres. O que dizem professores e pais

A Associação Nacional de Professores prepara-se para perguntar aos seus membros o que acham de uma possível mudança. A Confederação que representa os pais diz que se deve refletir também na avaliação.

MARIO CRUZ/LUSA

A Associação Nacional de Professores (ANP) vai ouvir todos os seus associados para tomar uma posição oficial sobre se o ano letivo no primeiro e segundo ciclos deve passar a dividir-se em dois semestres, em vez dos atuais três trimestres. A proposta partiu da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas (ANDAEP) e já está a ser analisada pelo próprio Governo.

Segundo Paula Figueiras Carqueja, presidente da ANP, depois de uma reunião ao final da manhã desta segunda-feira ficou decidido “fazer uma auscultação alargada aos seus associados e depois assumir uma posição oficial”. A questão não assenta apenas em organizar o ano letivo em dois semestres, e não nos atuais três trimestres — interrompidos no Natal, no Carnaval e na Páscoa.

Há várias questões a avaliar. O tema pode levar a profundas alterações no calendário escolar e aprofundas alterações na gestão familiar”, refere ao Observador Paula Figueiras Carqueja.

Entre essas questões é preciso ter em conta “qual o modelo que melhor segue os interesses dos alunos, se dois ou três”, começa por referir Paula Figueiras Carqueja. Depois deve perceber se este novo modelo deverá ser aplicado a “todos os níveis de ensino, desde o pré-escolar ao secundário”. Por outro lado, interroga, “como serão consideradas as pausas letivas em dois semestres?”.

Na sede da ANP, em Braga, os professores reunidos levantaram também outras questões, como o tempo que levaria cada semestre. “Não valia mais a pena fazermos pausas como se faz em França?”, equaciona a responsável. “É bom que se faça um debate alargado tendo em conta professores, toda a comunidade educativa e também os pais, as famílias, têm que ser ouvidos”, afirma Paula Figueiras Carqueja. “Foi um tema lançado e estivemos a refletir sobre ele. A seguir vamos auscultar todos os atores e de acordo com a resposta dos professores associados, passar para um debate publico alargado com as secções regionais”, diz.

Do lado dos pais, e dando voz à Confederação Nacional das Associações de Pais (CONFAP), Jorge Ascenção também admite discutir o tema. “Implica uma reorganização do ano letivo e do plano de trabalho, mas é possível encontrarmos uma forma de melhorarmos o desenvolvimento do trabalho e avaliação”, diz ao Observador.

Avaliação. É este o foco do presidente da CONFAP, que insiste que os objetivos da avaliação devem “ser repensados”. E se for para refletir sobre uma mudança de tempos letivos, então reflita-se também sobre isso. “É necessário repensar os objetivos da avaliação, se deve ser para classificar, se deve ser um instrumento de melhoria de ensino e das capacidades dos jovens. Isto tudo discutido em conjunto poderá ser útil”, afirma.

Estamos muito presos à questão da avaliação sumativa. As famílias querem a evidência de uma nota de um teste. Os professores só conseguem fazer esta avaliação assim. E os trabalhos e a participação na aula, na verdade, na maior parte dos casos, não têm reflexo na nota”, critica Jorge Ascensão.

Quanto à consequente mudança na organização do trabalho escolar, o responsável refere que os dois semestres são “uma hipótese como há outras”. “Temos uma disposição disforme dos vários períodos o que leva as escolas a fazerem um trabalho mais intensivo no primeiro e no segundo período e no terceiro, que é tão pequeno e com exames e provas finais, às vezes já não há ambiente propício para fazer um trabalho de recuperação. Não faz sentido”, reconhece.

Contactado pelo Observador, o Ministério da Educação (ME) revela que há “várias propostas” sobre o calendário escolar” oriundas de várias organizações. E que estão a ser analisadas.

O ME tem vindo a analisar as várias propostas existentes sobre o calendário escolar, propostas não só pela ANDAEP como por outras organizações. Consideramos que o tratamento destas propostas requer um olhar sistémico que tenha em conta os maiores benefícios para o processo de ensino – aprendizagem, a melhor articulação com as práticas de avaliação interna e a resposta mais adequada às necessidades das famílias.”

O próximo ano letivo (2016/2017) permanece organizado em três trimestres. O calendário escolar já foi fechado e até já gerou outras críticas. O Sindicato Independente de Professores e Educadores até já entregou uma petição para conseguir retificar o calendário. Segundo um comunicado emitido esta segunda-feira, o sindicato foi já convocado pela Comissão Parlamentar de Educação e Ciência para uma audição esta quarta-feira. A ideia é “assegurar a igualdade das condições de trabalho dos profissionais do ensino pré-escolar com vista à otimização do tempo conferido aos educadores para preparação das suas atividades em contexto educativo”, lê-se no comunicado.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ssimoes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)