Rádio Observador

Copa América

Os genes de Benjamin Aguero. Será ele o próximo craque do futebol?

Só nasceu em 2009, mas há 68 anos de carreira futebolística a correrem-lhe no sangue. É filho de Aguero, neto de Maradona e afilhado de Messi. Tem genes de aço, mas terá jeito para a bola?

Benjamin Aguero tem agora sete anos e joga nas escolas do Manchester City

Getty Images

Benjamin nasceu a 19 de fevereiro de 2009 na clínica Montepríncipe, em Madrid, de parto normal e sem complicações. Veio ao mundo com 3,600 quilogramas, olhos atentos, bochechas generosas. E com uma carga genética talhada a ouro: é filho de Sergio Agüero, atacante argentino do Manchester City, e de Giannina Maradona, a filha mais nova do famoso futebolista Diego Maradona. Como se o ADN não lhe bastasse para merecer a atenção dos olheiros, Benjamin é afilhado de um dos jogadores do momento: Lionel Messi, que anunciou abandonar a seleção argentina depois de perder a final da Copa América.

Talvez seja pequeno demais para entender aos sete anos o que o mundo espera dele. Benjamin leva às costas os 28 anos de carreira futebolística do avô, mais os 19 que o pai já colecionou e os 21 com que o padrinho o abençoou. Aos dois meses começou a entrar em campo nos braços do pai, quando Aguero o levou para a fotografia de equipa que antecedeu a partida entre a Argentina e a Venezuela no Estádio River Plate, num jogo de qualificação para Mundial de 2010 na África do Sul. Nessa altura, vestia já um equipamento azul e branco às riscas, feito à medida de um bebé prodígio, pelo menos nas expectativas dos fãs do futebol.

BUENOS AIRES, ARGENTINA - MARCH 28: Sergio Aguero of Argentina poses for photographs with his son Benjamin prior to the 2010 FIFA World Cup South African qualifier match between Argentina and Venezuela at River Plate Stadium on March 28, 2009 in Buenos Aires, Argentina. (Photo by Photogamma/Getty Images)

Sergio Aguero com o filho, prestes a completar dois meses, minutos antes de um jogo entre a Argentina e a Venezuela a contar para a qualificação para o Mundial de 2010 na África do Sul.

E não só. Sergio Aguero rodeava-o de bolas de futebol quando os jornalistas filmavam pai e filho em momentos de intimidade em casa. Diego Maradona, que foi avô aos 48 anos, também nunca escondeu o sonho de ver Benjamin a crescer entre quatro linhas, de preferência ao lado de Thiago, filho de Lionel Messi: “Um deles vai ter de jogar ao meio-campo. Acho que o Thiago vai comandar os outros e que Benjamin vai jogar como avançado”, projetava ele numa entrevista em 2012, quando o neto tinha apenas três anos e o filho de Messi tinha acabado de chegar ao mundo em Barcelona.

Não sabemos se os genes que determinam o talento para o futebol são ou não predominantes, mas Aguero já se certificou que treino não faltará ao filho: desde 2014 que Benjamin está inscrito nas escolas do Manchester City e tem jogado como atacante – tal como o pai, o avô e o padrinho. Ora, Messi sai da seleção sem conquistar nenhuma final de uma grande competição pela quarta vez consecutiva, Aguero ainda não tem nenhuma taça da copa sul americana no currículo e as épocas de vitória de Maradona – que ganhou duas Copa América no seu tempo – já lá vão há muito. Será que os tempos áureos do futebol argentino, que não vence há 23 anos (e nove campeonatos), estão nas mãos de um miúdo de sete anos? Só o tempo o dirá. Mas os genes permitem sonhar.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)