Um ano depois de Bruce Jenner (perdão, Caitlyn Jenner) oficializar a transição de género na capa da edição de julho da Vanity Fair, o pai de Kendall e Kylie Jenner aparece na capa da revista Sports Illustrated. O ex-atleta olímpico que se transformou em estrela de televisão volta a posar 40 anos depois com a medalha de ouro que venceu nos Jogos Olímpicos de Montreal, em 1976, ao pescoço, e com um macacão de lantejoulas douradas.

Estou muito orgulhosa dessa época da minha vida e não quero deitá-la fora. Faz parte de quem eu sou”, começa por dizer Caitlyn Jenner em entrevista à revista. “Mas o que é que dei ao mundo, em 1976, para além de incentivar algumas pessoas a fazerem exercício? Não fiz a diferença.”

1467123296-syn-hbz-1467119347-tdy-si-jenner-cover-e29c37e560cce57eb8588cce05a046b9today-inline-large

A capa da revista, com Jenner de medalha de ouro ao pescoço.

Jenner acrescenta ainda que sempre se sentiu mulher. “A minha vida era distração atrás de distração. Ser um homem masculino foi a forma que encontrei de me convencer que a mulher que vivia dentro de mim não estava mesmo dentro de mim. Obviamente, não funcionou.”

Eu amava Bruce. Ainda hoje o amo. Eu gosto do que ele fez e da forma como ele foi um exemplo de trabalho duro e dedicação. Estou orgulhosa dessa parte da minha vida. Mas esta mulher viveu dentro de mim durante toda a minha vida e cheguei a um ponto em que tive de a deixar viver. E fui mais feliz nestes últimos 12 meses do que em toda a minha vida.”

A par da nova edição de julho, a revista ainda lançou um documentário com a duração de 22 minutos sobre o percurso de Jenner, desde a vitória no decathlon dos Jogos Olímpicos até hoje.