O australiano Jason Day, líder do ‘ranking’ mundial de golfe, anunciou esta terça-feira a sua ausência dos Jogos Olímpicos Rio 2016 por receio da transmissão do vírus zika.

“É com muita pena que anuncio que não vou competir nos Jogos Olímpicos de verão de 2016, que vão ser disputados em agosto, no Rio de Janeiro. A razão para a minha decisão prende-se com as minhas preocupações com a possível transmissão do vírus zika e os potenciais riscos que podem representar para uma futura gravidez da minha esposa e para os futuros membros da nossa família”, lê-se no comunicado do atual detentor do PGA Championship.

A ausência de Jason Day do torneio de golfe, modalidade que vai ser disputada pela primeira vez nos Jogos em 112 anos de história, junta-se às já confirmadas de Marc Leishman, Rory McIlroy, Branden Grace, Charl Schwartzel, Louis Oosthuizen e Vijay Singh, pelo mesmo motivo, enquanto Adam Scott e Graeme McDowell apresentaram outras razões.

“Sempre coloquei a minha família à frente de qualquer outra coisa na minha vida. Médicos especialistas confirmaram que, embora ténue, a decisão de competir no Rio acarreta riscos de saúde para mim e para a minha família”, acrescentou Day, casado com Ellie, com quem tem dois filhos. “Espero que todos os adeptos do golfe e dos Jogos respeitem e percebam a minha posição”, concluiu.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) refere que os resultados científicos mais recentes mostram que o vírus pode ficar no sémen durante 62 dias e recomenda que os homens que estiveram expostos ao vírus pratiquem sexo seguro, ou se abstenham de manter relações sexuais, por seis meses. Depois disso não haverá, à partida, qualquer risco para a mulher que deseje engravidar.

Em relação aos restantes membros da família, só haverá risco de contágio caso exista o mosquito Aedes aegypti no local para onde se dirigisse o atleta depois dos Jogos, porque além da via sexual, a única forma de transmissão conhecida é a picada do inseto.

Atualizado, às 19h35, com as recomendações da OMS.