Rádio Observador

Execução Orçamental

PSD defende que défice até maio aumentou face ao período homólogo de 2015

654

O PSD contestou os dados de execução orçamental do governo e diz que, somando os atrasos no pagamento de dívida comercial e dos reembolsos do IRS, o défice será superior face ao período homólogo.

MIGUEL A. LOPES/LUSA

O PSD contestou esta terça-feira os dados do Governo sobre a execução orçamental até maio, contrapondo que, somando os atrasos no pagamento de dívida comercial e dos reembolsos do IRS, o défice será superior face ao período homólogo.

Esta posição foi transmitida à agência Lusa pelo vice-presidente da bancada social-democrata Miguel Morgado, depois de o Ministério das Finanças ter divulgado na segunda-feira que, em contas públicas, até maio, o défice orçamental se terá fixado nos 395 milhões de euros, menos 453 milhões do que no mesmo período do ano passado.

Miguel Morgado manifestou “surpresa” face a declarações “autocongratulatórias” de membros do Governo sobre a execução orçamental e salientou que, pelo contrário, o défice orçamental até maio será até superior em cerca de 150 milhões de euros em relação ao período homólogo do ano passado.

“Se nós analisarmos os números da execução orçamental ficamos com um retrato consideravelmente diferente daquele que foi veiculado pelo Governo, em particular pelo primeiro-ministro [António Costa]”, começou por advertir.

Segundo o dirigente da bancada social-democrata, em primeiro lugar, verifica-se que o Governo “está a cortar fortemente no investimento público”, num momento em que “era suposto o investimento público estar a aumentar mais de 13% neste período”.

Além do fator investimento, Miguel Morgado afirmou que o executivo socialista “está a adiar toda a despesa que pode”, dando como exemplo “um pagamento de 200 milhões de euros à União Europeia”.

“A dívida do Estado aos agentes económicos está a aumentar já pelo quinto mês consecutivo e nos últimos cinco meses aumentou 341 milhões de euros. Isto é dívida que terá de ser paga, mas que, entretanto, vai asfixiando as empresas”, criticou o vice-presidente do Grupo Parlamentar do PSD.

Também em relação a este ponto, Miguel Morgado estimou em 2,5 mil milhões de euros a dívida acumulada, o que, na sua perspetiva, “representa uma reversão completa da tendência anterior dos últimos cinco anos, em que se registou um considerável esforço para diminuir a dívida do Estado aos agentes económicos”.

No que respeita à receita fiscal, Miguel Morgado sustentou que está “a metade do objetivo” orçamentado pelo executivo, sendo mais grave essa situação no que toca à Segurança Social.

“E há ainda atrasos nos reembolsos do IRS – atrasos que dão para compor a ‘figura’ em pelo menos 150 milhões de euros. Em síntese, com o aumento da dívida à economia e com os atrasos nos reembolsos do IRS, o défice nestes primeiros cinco meses de 2016 seria superior ao registado em idêntico período de 2015”, reforçou o vice-presidente da bancada do PSD.

Miguel Morgado desligou depois a forma como o Governo está a apresentar os dados da execução orçamental da ameaça de sanções por parte das instituições europeias.

“Muito antes de se falar em sanções já era claro que este orçamento não era realista e era contraditório do ponto de vista económico. Estamos a assistir à confirmação daquilo que o PSD sempre disse”, acrescentou.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Economia

Liderança: um diálogo pai-filho /premium

José Crespo de Carvalho

Podes ter a melhor das intenções, as características pessoais que achas apropriadas ou mais valorizas, a visão e a estratégia para o exercício da liderança. Mas a cultura, se não ajudar, estás morto.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)