O iPhone, o smartphone da Apple, revolucionou o mundo e gerou (e continua a gerar) grandes receitas para a empresa. Mas será que foi mesmo a empresa de Steve Jobs que criou o aparelho? Thomas S. Ross garante que não e processou a Apple por ter usado indevidamente um projeto que criou em 1992.

O ERD (sigla em inglês para Dispositivo de Leitura Eletrónica) apresentava muitas das características que se encontram hoje no sistema operativo iOS. Segundo o site Macrumors, o aparelho que Ross desenhou permitia ” ler histórias, romances, notícias, e ainda ver fotografias, vídeos ou até filmes nem ecrã touch-screen retroiluminado. Para além disso, imaginou que o dispositivo podia incluir funções de comunicação como um telefone e um modem, capacidades input/output que permitam ao utilizador escrever notas e armazenar material escrito ou de leitura utilizando meios de armazenamento internos e externos. Também imaginou que o aparelho teria baterias e até estaria equipado com painéis solares.”

As ideias, que foram desenhadas entre maio e setembro de 1992. Ross pediu uma patente de utilidade para os projetos em novembro do mesmo ano, mas em 1995 o pedido foi abandonado por falta de pagamento. Em 2014 voltou a pedir os direitos relativos aos desenhos técnicos.

Agora, Ross apresentou queixa no Florida Southern District Court alegando que sofreu um “enorme e irreparável dano que não pode ser, totalmente, compensando ou medido em termos monetários”. Ainda assim, exige uma indemnização “não inferior a 10 mil milhões de dólares e direitos até 1,5% do valor das vendas mundiais dos três aparelhos”.