A ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, afirmou esta quarta-feira que estão reunidas as condições para uma retoma do crescimento do Porto de Lisboa, elogiando o acordo entre operadores portuários e o sindicato dos estivadores.

“Este acordo reflete que foi possível estabelecerem as suas regras de convívio. Será valido para seis anos e isso significa que estão definidas as regras. Existem todas as condições para que possa haver uma retoma do crescimento no Porto de Lisboa, porque estão ultrapassados os conflitos sociais que duravam há mais de quatro anos”, disse a ministra, à margem da inauguração de um novo rebocador que ocorreu no Seixal.

O Contrato Coletivo de Trabalho (CCT) dos estivadores do Porto de Lisboa, resultado de negociações que decorrem desde janeiro, foi já assinado e estará em vigor durante seis anos.

“Os operadores portuários e o sindicato dos estivadores estão de parabéns por conseguirem um novo Contrato Coletivo de Trabalho. Esta instabilidade social no Porto de Lisboa durava há quatro anos e tinha muito a ver com a discussão e posterior aprovação da lei enquadradora do trabalho portuário publicada no início de 2013”, afirmou.

As negociações entre os estivadores e os operadores do Porto de Lisboa foram reatadas com um acordo de paz social a 8 de janeiro passado, que veio a fracassar em abril, e um mês depois – marcado por uma greve que paralisou o Porto de Lisboa – o Sindicato dos Estivadores, Trabalhadores de Tráfego e Conferentes Marítimos do Centro e Sul de Portugal e os representantes das Associações de Operadores do Porto de Lisboa voltaram a sentar-se à mesa para tentar chegar a uma redação consensual do novo CCT.