Num tweet:
“Gasolina ou Diesel: económico, eficiente, baixas emissões. Dinâmico, prático, conetividade e cruise ctrl. 4X2 com visual desportivo #SUV2008”

O novo Peugeot 2008 chega ao mercado nacional bem preparado para conquistar um lugar ao sol no segmento dos SUV (Sport Utility Vehicles). Estão cada vez mais na moda estes pequenos automóveis, com posição de condução elevada e motores económicos, pensados para serem práticos e versáteis na utilização familiar do dia-a-dia.

Ultrapassada a fasquia simbólica de meio milhão de exemplares produzidos desde que foi lançado há três anos, o Peugeot 2008 apresenta-se agora visualmente renovado e com novos argumentos para discutir liderança no segmento que continua em erupção, em Portugal como no resto da Europa, onde se registam taxas de crescimento na ordem dos 50%. Em 2015, os europeus compraram mais de um milhão destes SUV compactos, número que faz deste um segmento mais importante e maior do que, por exemplo, o dos mono-volumes médios como o Renault Scénic ou o VW Touran.

Para muitos, um SUV não é mais do que uma versão de um ligeiro convencional alimentada com esteróides para aumentar em volume e altura. Isso até pode ser uma evidência em alguns casos, mas no 2008 o afastamento do modelo-base não deixa margem para confusões. Como seria de esperar, a meio do ciclo de vida do modelo, este facelift vem promover a nova linguagem de design da casa francesa. Para defender a reputação e melhorar o registo, a Peugeot reuniu no novo SUV 2008 um conjunto de equipamentos que se encontram habitualmente em automóveis de segmentos superiores.

O alinhamento da gama compreende os níveis de equipamento já conhecidos na Peugeot: Access, Active e Allure, sendo este o mais completo e requintado. Junta-se agora o nível GT Line que acrescenta alguns detalhes para dar ao 2008 uma atitude desportiva. A fórmula seguida é a mesma que conhecemos de outros modelos da família, como o 308 ou o 508, com pormenores estéticos em tons de vermelho e negro, jantes exclusivas, bancos desportivos, pedais em alumínio e volante em pele, além das insígnias afixadas na traseira e nos guarda-lama frontais.

Os preços das versões base começam nos 16.760€ (Gasolina 1.2 PureTech 82 cv) e nos 20.170€ (Diesel 1.6 BlueHDi 75 cv). No entanto, as variantes mais equilibradas que deverão reunir maior consenso entre os consumidores nacionais, têm preços a partir de 20.620€ (1.2 PureTech 110 cv) e de 23.500€ (1.6 BlueHDi 100 cv).

Grip Control

[jwplatform JyZ7YIdn]

O sistema de controlo de tração adaptativo Grip Control garante uma dinâmica melhorada em situações de fraca aderência através de cinco cenários de condução pré-definidos: Standard, Neve, Lama, Areia e ESP Off. A escolha é feita no seletor rotativo situado entre os bancos, atrás do comando da caixa de velocidades. Está disponível apenas nas versões a partir dos 100 cv, equipadas com jantes de 16’’ ou 17’’ e pneus “Mud & Snow” considerados de inverno mas mais adequados a uma utilização mista em termos de piso, na cidade ou no campo.

No modo “Standard” o sistema atua com base num compromisso equilibrado entre os diferentes tipos de aderência mais comuns em condições normais de utilização. Na posição “Neve” a gestão eletrónica otimiza a tração de cada roda para garantir a melhor progressão em função da aderência disponível. Este modo é recomendado para situações de neve ou gelo mas também pode ser eficaz em percursos com declive acentuado. Atua a velocidades inferiores a 50 km/h.

No perfil “Lama” é produzida uma compensação do binário transferido para as rodas em função daquela que, no momento, apresentar melhor aderência, estando limitado aos 80 km/h, velocidade a partir da qual o sistema regressa ao modo “Standard” por defeito. É ideal em pisos deslizantes ou pouco firmes. No modo “Areia” o sistema permite a patinagem de ambas as rodas motrizes em simultâneo para limitar a perda de motricidade. Funciona até aos 120Km/h sendo que antes de entrar em pistas de areia deverá baixar a pressão dos pneus para melhorar o andamento e evitar o “atascanço”.

Lembre-se que o 2008 é um SUV capaz de alguma incursão fora de estrada, mas está longe de ser um veículo todo-o-terreno. Aliás apenas tem tração dianteira. Se optar pelo modo “ESP Off”, desliga o programa de estabilidade e o controlo de tração para uma autonomia total do condutor, mas só até aos 50 km/h. A partir daí os sistemas de controlo voltam a intervir automaticamente para incrementar a segurança ativa. O Grip Control permite levar o 2008 mais longe e descobrir novos caminhos, otimizando a motricidade em função do piso e atuando ao nível da transferência de binário para cada uma das rodas dianteiras. É de série no nível GT Line mas também pode ser instalado nos 2008 Active e Allure por apenas 200€.

Active City Brake

[jwplatform HfSYd9g8]

O Active City Brake é um sistema de “Alerta de Risco de Colisão com Travagem Automática de Emergência” que permite evitar acidentes – ou pelo menos minimizar as consequências – caso não haja intervenção do condutor quando circula numa fila de trânsito.

Sendo um sistema de travagem de emergência em cidade o Active City Brake apenas funciona a baixa velocidade, até aos 30 km/h, acionando automaticamente os travões e imobilizando o veículo se for necessário em situações de desatenção ou atraso na intervenção do condutor que por alguma razão se distrai e não tem tempo de reagir.

A tecnologia assenta num sensor laser de curto alcance, implantado na base do espelho retrovisor no pára-brisas, que deteta obstáculos na mesma fila através da medição da distância até às superfícies refletoras dos veículos à sua frente, quer estejam parados ou em movimento. O sistema Active City Brake está disponível por 300,00 €.

Mirror Screen

[jwplatform IO0pzN95]

É possível conectar um iPhone ou Android ao sistema de infoentretenimento, transpondo o ambiente personalizado do seu smartphone para o ecrã tátil de sete polegadas localizado, ao centro, no topo da consola. Muito simples e eficaz, basta conectar o smartphone através de um cabo USB à porta situada na consola e ativar o Mirror Screen no ecrã tátil.

Uma vez conectado à viatura, as aplicações aparecem adaptadas para que possam ser utilizadas enquanto conduz, com total segurança. Permite aceder às principais funcionalidades e aplicações compatíveis, assim como ao conteúdo multimédia sem que tenha de manipular o telefone. É muito útil para usar o GPS do smartphone num carro sem navegação instalada. Além disso a tomada USB permite carregar a bateria enquanto está ligado.

Em termos de conectividade, também já está disponível uma aplicação móvel que amplifica a experiência de condução através de um interface intuitivo e muito simples. O Link MyPeugeot permite localizar a viatura, retomar um percurso no GPS, facilitando o regresso ao local exato onde estacionámos ou a continuação do itinerário, a pé, depois de estacionar. No painel de controlo pode aceder às estatísticas de percursos, distâncias e tempos de viagem, prazo até à próxima revisão, além da autonomia e do consumo realizado nos últimos sete dias.

A tabela de trajetos permite comparar dados e otimizar consumos nas deslocações frequentes. A aplicação também emite alertas de manutenção mantendo sempre o condutor informado sobre a próxima intervenção a realizar. O Link MyPeugeot funciona através de Bluetooth atualizando as informações do carro quando desligamos o motor e é compatível com dispositivos Apple ou Android.

Peugeot Connect Box

Em qualquer situação de emergência o serviço Connect SOS atua como um assistente que estabelece uma chamada telefónica com localização geográfica para ativar os serviços de emergência. Funciona de forma automática em caso de ativação dos sistemas de segurança do veículo como os airbags e os pré-tensores dos cintos de segurança. Mas também pode ser ativado por qualquer ocupante premindo o botão “SOS”.

Em caso de avaria o serviço Connect Assistance permite-lhe entrar em contacto direto com o centro de assistência em viagem da Peugeot para obter o apoio que necessitar. Basta pressionar, durante dois segundos, o botão do “leão” localizado no plafonnier por cima do espelho retrovisor, ao lado do botão “SOS”. Ambos os serviços são gratuitos e estão disponíveis em permanência, 24 horas por dia.

Motorizações PureTech e BlueHDi

[jwplatform RpryURIh]

O novo Peugeot 2008 está disponível com três motores a gasolina e três Diesel. Todos cumprem a Norma Euro 6 conjugando elevado rendimento com emissões e consumos controlados. As variantes a gasolina utilizam o bloco PureTech de três cilindros com 1200 c.c., que debita 82 cv na versão atmosférica, e chega aos 110 e 130 cv nas duas versões sobrealimentadas.

A versão turbo de 110 cv com sistema stop&start e uma nova caixa automática de 6 velocidades, de baixo atrito e alta eficiência, fixa as emissões poluentes em 110 g/km, um valor de referência no segmento. A caixa de velocidades é produzida pela japonesa Aisin e o motor de três cilindros foi eleito “Motor do Ano” – pelo segundo ano consecutivo – na 18ª edição da gala “International Engine of the Year Awards” que decorreu em Estugarda no início deste mês.

Quanto aos Diesel, a marca recorre à linha de motores 1.6 com tecnologia BlueHDi – de elevado rendimento e baixo consumo, disponíveis em versões de 75 e 100 cv com caixa manual de 5 velocidades, além da versão de topo de gama que equipa os 2008 GT Line, com 120 cv – sistema stop&start e caixa de 6 velocidades. Já relativamente aos consumos da variante a gasolina 1.2 PureTech de 110 cv, equipada com caixa manual de 6 velocidades, a Peugeot anuncia um consumo de 4,4 l/100 km, em regime misto, com emissões na casa dos 103 g/km.

A competição aperta e o Peugeot 2008, agora renovado, já cresceu 10% em relação ao volume de vendas do ano passado, disputando a liderança com o Renault Captur, o Opel Mokka, o Fiat 500X e o Nissan Juke. Até agora a França continua a destacar-se como o maior mercado para os SUV compactos, sendo que os dois modelos franceses beneficiaram bastante da força de vendas no mercado caseiro.

peugeot 2008,

NELSON PITACAS

O segmento dos pequenos crossover continua a registar o mais rápido crescimento na Europa, superior a 30% com quase 80.000 unidades vendidas durante o primeiro trimestre deste ano. Isso significa que este segmento representa atualmente um volume de vendas superior ao registado pelo segmento dos SUV médios no mesmo período do ano passado. Este crescimento é alimentado por um elenco de novos modelos, mas a verdade é que mesmo os renovados continuam a melhorar a sua performance de vendas de forma consistente.

A Peugeot segue a tendência atual do mercado, particularmente sublinhada pelo comportamento do consumidor europeu, seduzido pelo conceito SUV (Sport Utility Vehicle) em que o “Sport” não significa necessariamente “desportivo” em termos de performance, mas vai antes no sentido de uma utilização prática e versátil. A marca de Sochaux tem já em preparação o lançamento do novo 3008, previsto para outubro, adotando a mesma filosofia que deverá ser aplicada no curto prazo a outros modelos da gama Peugeot.