A saída do Reino Unido da União Europeia poderá implicar uma forte contracção das vendas de automóveis novos a nível mundial, que se prevê que chegue aos 2,8 milhões de unidades durante os próximos três anos. Os números são da empresa norte-americana IHS Automotive, um dos maiores e mais reputados analistas e consultores do sector automóvel.

Para 2016, a IHS Automotive ainda antecipa um acréscimo das vendas face a 2015, mas agora de 89,82 milhões de unidades, ou seja, menos 200 mil unidades do que o previsto antes do referendo que ditou a saía do Reino Unido da União Europeia. Quanto a 2017 e 2018, a estimativa foi revista em baixa, para menos 1,25 milhões e menos 1,38 milhões, respectivamente.

Um especialista da IHS Automotive avaliou ainda a situação no Reino Unido, estimando que as vendas em 2016, ao invés de crescerem 3,2% como inicialmente previsto, poderão ficar-se por um aumento de somente 1%, seguido de quebras nos dois próximos anos. Situação que, a confirmar-se, será tanto mais grave quanto se sabe que o Reino Unido exporta cerca de 80% da sua produção anual, avaliada em cerca de 18,5 mil milhões de euros.