Os enfermeiros vão fazer uma greve nacional nos dias 28 e 29 de julho, contra a não aplicação das 35 horas de trabalho semanal, segundo informação divulgada pelo Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP).

Os dirigentes do sindicato que defende os interesses destes profissionais de saúde anunciaram ainda uma concentração nacional da enfermagem no dia 29 de julho e prometem intensificar os protestos, eventualmente através de novas greves, no mês de agosto.

Com estas greves, os enfermeiros pretendem também contestar uma proposta de lei da tutela que o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses considera que lhes retira competências.

Em convergência com o sindicato dos enfermeiros, a Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais (que representa trabalhadores da saúde, excetuando os enfermeiros e os médicos) marcou também uma greve para o dia 28 de julho, confirmou o dirigente Luís Pesca, ao Observador.

Do mesmo modo, também a Fesap se associou ao protesto, tendo convocado uma greve à oitava hora de trabalho do dia para todos os trabalhadores do setor da saúde que, independentemente do vínculo, continuam a praticar horários de 40 horas semanais. Esta paralisação terá início a 15 de julho e termina a 31 de agosto.

Se não houver progressos nas negociações com o Governo, a Fesap admite ainda avançar para outras ações de luta durante o mês de julho, em coordenação com outras organizações sindicais.