O presidente do Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE), Klaus Regling, diz que “o único país que preocupa é Portugal, independentemente do Brexit“. O chefe do fundo de resgates europeu diz que, com ou sem saída do Reino Unido da União Europeia, Portugal é um país que preocupa porque o governo “está a reverter as reformas”.

A declaração do presidente do MEE foi proferida durante uma conferência e foi registada pelo Twitter oficial do MEE, conhecido pela sigla anglo-saxónica ESM.

A opinião contrasta com o que dizia Klaus Regling há pouco mais de um ano. Em abril de 2015, Klaus Regling dava os “parabéns” a Portugal pelos “resultados positivos” do ajustamento e acrescentava que estes demonstravam que as orientações políticas europeias estavam a resultar.

Na conferência desta sexta-feira, Klaus Regling indicou que “como as instituições europeias notaram após a sua missão de vigilância recente, Portugal está novamente a tornar-se menos competitivo“. O alemão lembrou que “a falta de competitividade foi uma razão importante para que tenha havido uma crise em Portugal”.

“Agora os políticos portugueses aumentaram o salário mínimo e os salários na Função Pública, novamente, e voltaram a reduzir os horários de trabalho. Pode, também, haver novos riscos orçamentais se o governo tiver de resolver problemas no setor financeiro com recurso a fundos públicos. Temos de estar muito atentos ao que acontece em Portugal“.

A declaração de Regling, um dos responsáveis políticos mais importantes da estrutura europeia, surge poucos dias depois de Wolfgang Schäuble, o ministro das Finanças da Alemanha, ter indicado que um novo resgate poderia estar em cima da mesa para Portugal — apesar de o seu porta-voz ter garantido que Schäuble falava no condicional. Uma visão similar à de Regling dos últimos acontecimentos em Portugal tem sido, também, manifestada por alguns dos principais bancos de investimento internacionais.