Brexit

Lagarde diz que UE deve “sair por cima” do Brexit

A diretora-geral do FMI, Christine Lagarde, afirmou que a Europa "deve sair por cima" do Brexit. Para isso, defende que é preciso melhorar a "realidade económica" e a comunicação com os povos.

STEPHEN JAFFE / IMF HANDOUT/EPA

A diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, afirmou este sábado que a Europa “deve sair por cima” do Brexit, lançando os projetos que pensava condenados a um veto britânico e melhorando a comunicação.

Numa conferência económica em Aix-en-Provence, no sul de França, Lagarde referiu-se a “tantas coisas que uma e outra vez os comissários europeus diziam que não podiam ser feitas por causa dos britânicos”, para defender que esses projetos devem ser empreendidos quando o Reino Unido deixar de estar “sentado à mesma mesa”.

“Isso seria um verdadeiro projeto para estimular” a construção europeia, disse, acrescentando que para a economia mundial é “fundamental que os europeus decidam sair por cima do Brexit”.

A diretora do FMI frisou por outro lado a importância de a União Europeia melhorar a comunicação.

“É preciso evidentemente trabalhar a realidade económica, mas também imperativamente ocupar-se das perceções”, disse. “Se há um enorme fosso entre as perceções dos povos e a realidade, há um problema real de comunicação”, acrescentou.

Lagarde afirmou que, apesar de tudo, a saída do Reino Unido da UE está “entre aspas”, uma vez que até que Londres acione o artigo 50º que dá início ao prazo de dois anos de negociações, “tudo — as suas obrigações, as suas contribuições financeiras” continuam iguais.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
União Europeia

A tragicomédia do Brexit /premium

Manuel Villaverde Cabral

É devido às razões de fundo da construção europeia, iniciada e discutida em profundidade há mais de 60 anos, que a União Europeia não podia em caso algum facilitar a saída do Reino Unido.

Sri Lanka

Ataque terrorista à geografia humana de Portugal

Vitório Rosário Cardoso

É quase indissociável desde o século XVI na Ásia marítima a questão de se ser católico e de se ser Português porque afirmando-se católico no Oriente era o mesmo que dizer ser-se Português. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)