Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Michael Cimino, vencedor de um Óscar para Melhor Realizador pelo filme “O Caçador”, morreu este sábado. Teria 77 anos. “Morreu em paz rodeado dos seus e das mulheres que amava. Nós também o amávamos”, anunciou Thierry Fremaux, diretor do Festival de Cannes, no Twitter.

https://twitter.com/THIERRYFREMAUX/status/749329806257430528

Nova-iorquino, descendente de italianos, o realizador alcançou sucesso mundial com “O Caçador” (1978), um drama à volta da guerra do Vietname, aclamado pelo público e pela crítica — foi nomeado para nove Óscares e venceu cinco, incluindo o de Melhor Filme e Melhor Realizador.

Do céu ao inferno foi um piscar de olhos de dois anos. Em 1980, Cimino produziu o filme “As Portas do Céu” (Heaven’s Gate), um estrondoso fracasso de bilheteira, que levou à falência o estúdio United Artists. Nesse ano, acabaria distinguido com a Framboesa de Ouro para Pior Diretor.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A carreira de Cimino, iniciada em Los Angeles, como argumentista, acabaria por ficar inevitavelmente marcada por este insucesso — nunca mais realizou filmes de maior relevância. Durante os 10 anos que seguiram ao “As Portas do Céu” recusou qualquer entrevista, o que ajudou a alimentar uma aura de mistério à volta do realizador — há dúvidas, por exemplo, em relação à verdadeira idade de Cimino, como lembra a Variety. O seu aniversário é geralmente citado como sendo a 3 de fevereiro de 1939.

Apesar dos insucessos que somou, era considerado “um dos grandes” nomes do cinema.