As autoridades de Macau revelaram esta terça-feira que multaram 3.418 pessoas por fumarem em locais proibidos no primeiro semestre deste ano.

Ao longo dos primeiros seis meses de 2016, foram feitas 161.880 inspeções a diversos estabelecimentos, numa média de 889 por dia, tendo sido detetados 3.418 “casos de fumadores ilegais”, segundo um comunicado oficial.

“Desde o início do ano de 2016 que 2.783 pessoas (81,3%) pagaram a multa”, lê-se no mesmo texto.

Foi nos cibercafés que foram detetadas mais infrações (611 casos).

Quanto aos casinos, as autoridades fizeram 240 inspeções nestes espaços no primeiro semestre e detetaram 277 infrações.

A Lei da Prevenção e Controlo do Tabagismo de Macau entrou em vigor a 01 de janeiro de 2012 e tem vindo a ser aplicada de forma gradual, começando por visar a generalidade dos espaços públicos e prevendo disposições diferentes ou períodos transitórios para outros casos.

A 01 de janeiro de 2015, por exemplo, entrou em vigor a proibição total de fumar em bares, salas de dança, estabelecimentos de saunas e de massagens.

Já os casinos passaram a ser abrangidos dois anos antes, a 01 de janeiro de 2013, mas apenas parcialmente, já que as seis operadoras de jogo foram autorizadas a criar zonas específicas para fumadores, que não podiam ser superiores a 50% do total da área destinada ao público.

Contudo, em outubro de 2014, “as zonas para fumadores” foram substituídas por salas de fumo fechadas, com sistema de pressão negativa e de ventilação independente, passando a ser proibido fumar nas zonas de jogo de massas dos casinos e permitido apenas em algumas áreas das zonas de jogo VIP.

Atualmente, encontra-se em análise na Assembleia Legislativa, na especialidade, uma alteração ao Regime de Prevenção e Controlo de Tabagismo, depois de, em julho do ano passado, o hemiciclo ter aprovado, na generalidade, uma proposta de lei no sentido de proibir totalmente o fumo nos casinos, após um longo debate centrado no impacto sobre as receitas da indústria do jogo.

O receio é o de que a proibição de fumar nas salas VIP agrave ainda mais a tendência de queda das receitas dos casinos, que caem ininterruptamente desde junho de 2014.