O Banco Central Europeu (BCE) reduziu esta quinta-feira, a pedido do Banco da Grécia, em 2.500 milhões de euros o limite de créditos que os bancos gregos podem pedir através do mecanismo de provisão de liquidez de urgência.

Segundo informou esta quinta-feira o Banco da Grécia em comunicado, esta redução do limite do ELA para os bancos gregos reflete a melhoria da liquidez do sistema bancário, a redução da incerteza e a estabilização dos depósitos do setor privado.

Este foi o segundo corte importante do limite de crédito desde que em 22 de junho o BCE decidiu voltar a aceitar dívida do Estado grego como garantia em operações de refinanciamento da banca grega.

O limite máximo do mecanismo de provisão de liquidez de urgência (ELA, Emergency Liquidity Assistance) para os bancos gregos fica agora em 58.600 milhões de euros até 21 de julho.

Em 23 de junho, o BCE reduziu o limite em 7.000 milhões de euros para 65.000 milhões de euros.

A banca grega recebeu estes créditos de emergência durante os últimos meses, depois de em meados de fevereiro de 2015 o BCE ter deixado de aceitar a dívida grega como garantia nas operações de refinanciamento.

O ELA foi neste período praticamente o único canal pelo qual os bancos podiam aceder a financiamentos de forma excecional e a curto prazo através do Banco da Grécia, ainda que a uma taxa de juro de 1,55%, muito acima da praticada pelo BCE nas operações ordinárias de refinanciamento, atualmente em 0,0%.