OCDE

Mais de metade dos desempregados em Portugal ainda são de longa duração

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico sinalizou uma recuperação do desemprego de longa duração, mas em Portugal este grupo representa ainda mais de metade dos desempregados.

André Afonso / Global Imagens

Autor
  • Agência Lusa

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) sinalizou uma recuperação do desemprego de longa duração, mas em Portugal este grupo representa ainda mais de metade dos desempregados.

No relatório ‘Perspetivas de Emprego 2016’, a OCDE volta a alertar sobre a situação dos desempregados de longa duração, que em Portugal no final de 2015 representavam uma fatia de 57,4% dos desempregados (59,6% em 2014), acima da média da OCDE de 33,8%.

A OCDE recomenda que os governos prossigam com os programas de ativação e apoio na procura de emprego para este grupo.

A organização também sinaliza a sua preocupação com outro grupo que é dos jovens pouco qualificados que não estão na escola, nem em formação, nem a trabalhar (os NEET, da sigla em inglês).

Em 2015, 14,6% dos jovens entre os 15 e os 29 anos estavam nesta categoria (13,5% em 2007, antes da crise) e, destes, 36% não terminaram o ensino secundário.

A OCDE pede para estes jovens “políticas efetivas” que os voltem a conectar com o mercado laboral e evitem que caiam na pobreza e marginalização.

A organização antecipa para Portugal que o número de pessoas empregadas recue 0,3% este ano, depois de ter avançado 1,1% em 2015, e avance 0,7% em 2017.

Segundo a OCDE, a taxa de desemprego em Portugal deverá terminar 2016 nos 11,9% (12,1% em 2015) e 2017 nos 11,3%.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Corrupção

O caso da OCDE e a corrupção /premium

Helena Garrido
2.582

O que se passou com a OCDE foi grave. O responsável pelo estudo foi impedido de estar presente na apresentação. E uma conferência da Ordem dos Economistas foi cancelada. Aconteceu em Portugal.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)