As marcas alemãs BMW, Volkswagen, Daimler, ZF Friedrichshafen e Bosch estão sob investigação da Autoridade da Concorrência da Alemanha, devido a suspeitas de práticas ilegais na compra de aço. A notícia foi avançada pela Bloomberg e confirmada pela autoridade anti-cartelização alemã, o Busdeskartellamt. Em causa está um possível esquema de fixação de preços do aço, envolvendo fabricantes e fornecedores. Sem adiantar o nome dos envolvidos, o responsável pelo processo adiantou que nas buscas levadas a cabo a 23 de Junho participaram mais de 50 elementos do Busdeskartellamt, apoiados pela polícia e pelas autoridades criminais.

BMW, Daimler, VW, Bosch e ZF confirmam que foram visadas pelas referidas buscas, e que estão a cooperar ao máximo com as autoridades na investigação. Nada se sabe, todavia, quanto ao nome da sexta empresa envolvida, embora a Opel, o braço europeu do Grupo General Motors, já tenha publicamente afirmado não estar envolvida neste processo.

As suspeitas da Autoridade da Concorrência alemã apontam no sentido de que os construtores automóveis BMW, Volkswagen e Daimler, e os fabricantes de componentes ZF Friedrichshafen (caixas de velocidades e transmissões) e Bosch (electrónica e sistema de segurança e ajudas à condução), ter-se-ão unido no sentido de manter o preço do aço baixo. A vantagem desta cartelização de preços, alegadamente concertada pelos mencionados aglomerados industriais, faz tanto mais sentido quanto envolve os maiores pilares da economia germânica, para quem o aço é a sua principal matéria-prima. Segundo a World Steel Association, “em média, cada veículo utiliza cerca de 900 kg de aço”.

Quanto às investigações, acrescenta a Car News, não estão ainda concluídas e poderão prolongar-se por alguns meses, ou até mesmo anos. Em caso de culpa, as autoridades alemãs podem aplicar multas no valor até 10% do volume de negócios anual das companhias, ainda que sejam raros os casos em que as sanções se aproximem, sequer, deste máximo.