O recém-nomeado responsável máximo pela Lamborghini, Stefano Domenicali, não deve estar arrependido de ter trocado a Ferrari pela sua arqui-rival italiana. Nos primeiros seis meses de 2016, a marca do touro vendeu nada menos do que 2.013 automóveis (mais 7% do que os 1.882 vendidos no mesmo período de 2015), sendo a primeira vez na sua história em que consegue colocar mais de 2.000 unidades num só semestre. Ao mesmo tempo, o mês de Junho, por si só, constitui também ele um recorde para a marca de Santa’Agata Bolognese, graças às vendas de 416 unidades a nível mundial.

Stefano Domenicali

Stefano Domenicali

Segundo Domenicali, boa parte da responsabilidade por este resultado deve-se ao alargamento da família Huracán, que recentemente passou a incluir as versões descapotável e de tracção apenas traseira.

O responsável máximo pela Lamborghini adianta ainda que a sólida base de encomendas, tanto para o Huracán, como para o Aventador com motor V12, deixa antever novo recorde de vendas no final do ano.

O Huracán conquistou 1.370 clientes na primeira metade deste ano – o melhor semestre de sempre para um Lamborghini com motor V10, representando um acréscimo de 87% face ao Gallardo, em termos de vendas, 24 meses após a introdução do modelo no mercado.

Quando à comercialização do Aventador, 58 meses decorridos sobre o seu lançamento, as vendas estão nada menos do que 127% acima das do Murciélago no mesmo período, após a chegada ao mercado.

Os principais mercados da marca italiana são os Estados Unidos da América, o Japão, o Reino Unido, a China e a Alemanha.