Pepe afirmou este sábado que a seleção portuguesa de futebol quer “entrar para a história” no domingo, vencendo a final do Euro 2016, diante da França, e admitiu que seria “fantástico” se Portugal seguisse o exemplo da Grécia em 2004.

“Queremos entrar par a história e seguramente vamos entrar com a ambição de fazermos as coisas bem. Amanhã (domingo) vão estar 11 milhões de pessoas, 11 jogadores e outros três que vão entrar com uma vontade de poder fazer história no futebol português”, disse, em conferência de imprensa realizada no Stade de France, em Saint-Denis, arredores de Paris.

O central, de 33 anos, que falava na antevisão da final do Campeonato Europeu, foi confrontado com o facto de Portugal não ser favorito frente ao anfitrião, numa situação em tudo idêntica à da Grécia, que, em 2004, acabou por bater a ‘equipa das quinas’, em Lisboa.

Pepe espera agora que Portugal consiga seguir o exemplo dos gregos, contrariando o favoritismo que tem sido apontado aos franceses. “Era bom que se passasse isso. Era fantástico, mas não tem nada a ver, porque isso já foi há bastante tempo. Amanhã será um jogo completamente diferente e espero que possamos estar bem”, referiu.

O central frisou que os jogadores lusos querem “retribuir” o apoio que têm recebido dos emigrantes portugueses em França, embora tenha realçado a qualidade do adversário. “O forte da França é a qualidade que os jogadores põem ao serviço da equipa, o que faz com que sejam mais fortes. São grandes jogadores, que jogam em grandes clubes da Europa. Vai ser um belíssimo jogo e espero que possamos dar uma alegria aos portugueses”, antecipou.

Caso regresse ao ‘onze’, depois de ter falhado a meia-final com o País de Gales, devido a lesão, o defesa do Real Madrid terá pela frente o avançado Antoine Griezmann, principal figura dos gauleses e seu rival no Atlético de Madrid.

“Já defrontei o Griezmann várias vezes em Espanha. Evoluiu muito taticamente desde que chegou ao Atlético de Madrid. É um jogador importante para a equipa francesa, mas não nos podemos concentrar apenas num jogador e sim no coletivo”, sublinhou.

Por outro lado, Pepe referiu sentir-se um privilegiado por atuar ao lado de Cristiano Ronaldo, seu colega no Real Madrid e na seleção portuguesa.

“Tenho o privilégio de poder treinar com um ser humano fora de série, que é o Cristiano Ronaldo. Apesar de às vezes duvidarem dele, como aconteceu este ano em Espanha, ele continua a marcar golos e a ajudar a nossa seleção. É um exemplo para todos”, afirmou.

Pepe, que está a disputar a quinta grande competição ao serviço de Portugal, depois dos Europeus de 2008 e 2012, e os Mundiais de 2010 e 2014, enalteceu ainda a “inteligência” do selecionador Fernando Santos, que soube “explorar as capacidades de cada jogador” e conduzir a equipa à final do Euro 2016.

Portugal e França disputam a final do Euro2016, no domingo, a partir das 21h00, no Stade de France, em Saint-Denis (20:00 em Lisboa), num encontro que será dirigido pelo inglês Mark Clattenburg.