António Guterres disse esta terça-feira que, “com a mudança climática e o aumento da população, o mundo está a ficar mais pequeno e os recursos mais escassos”, e que é preciso enfrentar esses desafios.

Na sua declaração inicial num debate entre dez candidatos à liderança das Nações Unidas, Guterres disse que o próximo secretário-geral da ONU tem de ser “sólido”, um “símbolo de unidade” e que “precisa de saber combater, e derrotar, o populismo político, o racismo e a xenofobia.”

“Esses são valores que defendi toda a minha vida”, concluiu.

Guterres aproveitou a intervenção para deixar elogios a Ban Ki-moon, o atual secretário-geral, e destacou a importância e “traduzir as muitas iniciativas” da ONU “para uma linguagem que as pessoas de todo o mundo percebam”.

O debate foi promovido em parceria com a televisão Al-Jazeera, e incluiu entrevistas feitas por dois jornalistas, perante os embaixadores dos países representados da ONU. Os dez candidatos foram divididos em dois grupos. Guterres fez parte do primeiro, juntamente com Vesna Pusic, da Cróacia, Susana Malcorra, da Argentina, Vuk Jeremic, da Sérvia, e Natalia Gherman, da Moldávia.