Caso BES

Banco de Portugal vai iniciar a liquidação do Banco Espírito Santo

A decisão do BCE de retirar a licença ao BES para atuar como instituição de crédito vai ter como consequência o arranque do processo judicial de liquidação, anunciou o Banco de Portugal.

MARIO CRUZ/EPA

Autores
  • João Cândido da Silva

O Banco Espírito Santo (BES), entidade que ficou na posse dos ativos de má qualidade na sequência da resolução que deu origem ao Novo Banco, não poderá continuar a atuar como instituição de crédito, de acordo com um comunicado divulgado pelo Banco de Portugal. A decisão tem como consequência o arranque do processo judicial de liquidação da instituição que foi alvo de intervenção das autoridades portuguesas a 3 de agosto de 2014.

“O Banco Central Europeu revogou a autorização do Banco Espírito Santo (…) para o exercício da atividade de instituição de crédito. A decisão de revogação da autorização do BES implicará a dissolução e a entrada em liquidação do banco (…). Desta forma, o Banco de Portugal vai requerer, nos termos da lei, junto do tribunal competente o início da liquidação judicial do BES”, pode ler-se no comunicado divulgado pelo banco central liderado por Carlos Costa.

O prazo para o BES, o “banco mau” que resultou do processo de resolução, entrar em processo de liquidação termina a 3 de agosto de 2016, como o Observador noticiou, dois anos após a aplicação da medida de resolução ao que era, então, o terceiro maior banco português. Este prazo ou a venda do Novo Banco eram os limites temporais previstos para o início da liquidação, mas, com o adiamento de um ano dado pela Comissão Europeia para alienar o banco de transição, vale a deadline de 3 de agosto, segundo informação recolhida pelo Observador.

O tempo que vai demorar o processo de liquidação ainda é uma incógnita. De acordo com uma simulação efetuada pela consultora Deloitte, para avaliar os prejuízos que teriam os credores do BES se o banco tivesse ido para liquidação antes de ser aplicada a medida de resolução, o processo de venda de ativos do “banco mau” no quadro de uma liquidação destinada a ressarcir aos credores seria de oito anos. Mas este prazo indicativo está muito exposto a variáveis de natureza jurídica, nomeadamente ações de impugnação por parte de credores, que poderão provocar demoras na conclusão de todo o processo.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Caso José Sócrates

Despoletar a bomba a tempo /premium

Manuel Villaverde Cabral
120

Tão importante como o caso lamentável de Manuel Pinho, foram as emissões televisivas dos interrogatórios de Sócrates que desencadearam os receios do PS quando o viram, por assim dizer, à solta

Caso José Sócrates

César pôs lama na ventoinha /premium

Filomena Martins
1.513

Quando tentou tornar o independente Manuel Pinho no cordeiro a sacrificar para não agitar os pecados do último Governo socialista, despertou todos os fantasmas desse passado vergonhoso da democracia.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Assinatura - Aceda aos dados da sua assinatura
  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)