501kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

De Thatcher e Pintassilgo a May. Quatro décadas de mulheres

Este artigo tem mais de 5 anos

Foi há 37 anos que a "Dama de Ferro" chegou à liderança do Reino Unido. No mesmo ano, Maria de Lurdes Pintassilgo assumia o governo em Portugal. O que mudou nestes anos para as mulheres?

Theresa May tornou-se esta semana a segunda primeira-ministra do Reino Unido
i

Theresa May tornou-se esta semana a segunda primeira-ministra do Reino Unido

AFP/Getty Images

Theresa May tornou-se esta semana a segunda primeira-ministra do Reino Unido

AFP/Getty Images

Em 1979, apenas dois países do mundo eram liderados por mulheres: o Reino Unido e Portugal. É certo que Margaret Thatcher esteve dez anos no poder e deixou uma marca na política britânica, enquanto Maria de Lurdes Pintassilgo, que nem foi eleita, teve uma discreta passagem de cinco meses pelo quinto governo constitucional.

Esta semana, Theresa May tornou-se na a segunda primeira-ministra britânica (e a escolha era entre duas mulheres). O que aconteceu nos últimos 37 anos em relação aos direitos das mulheres? A CNN recolheu alguns dados, e nós mostramos mais alguns.

Há mais mulheres à frente de países

Há 16 países, atualmente, liderados por mulheres. São primeiras-ministras ou presidentes, e ainda fazem parte das primeiras gerações de mulheres no poder. É uma evolução clara em relação às duas de 1976, mas o mapa do mundo ainda é sobretudo liderado por homens.

Há mais mulheres com estudos superiores em Portugal

Dados recolhidos pela Pordata mostram que em 1978, havia pouco mais de 34 mil mulheres inscritas no ensino superior em Portugal, contra mais de 47 mil homens.

Hoje, a realidade inverteu-se. Além de um aumento significativo em termos absolutos, existem mais mulheres do que homens a estudar no ensino superior. Dados de 2015 revelam mais de 187 mil mulheres inscritas nas universidades e politécnicos portugueses, contra cerca de 162 mil homens.

Mas continua a haver mais desempregadas do que desempregados

Esta informação precisa de um dado prévio: em Portugal, a população feminina é superior à masculina. Em 1970, existiam mais 400 mil mulheres do que homens. Em 2011, cerca de mais 500 mil a residir no país.

Ainda assim, a proporção é significativa. O histórico de população desempregada em Portugal desde 1979 é claro: a linha das mulheres esteve sempre bem acima da linha dos homens. Atualmente, há mais 300 mil mulheres desempregadas do que homens.

E as mulheres continuam a receber menos do que os homens

Os dados da Pordata relativos aos salários mostram que o salário médio dos homens continua bastante superior ao das mulheres.

Salários médios por sexo
Create column charts

Trabalham menos horas por semana do que os homens

Relativamente a este ponto, os dados da Pordata apenas estão disponíveis desde 1983. Apesar de se notar uma tendência de aproximação, a diferença está a esbater-se — o número de horas de trabalho semanal continua superior para os homens.


Create your own infographics

Os filhos chegam cada vez mais tarde

A tendência é clara: a idade média das mulheres na altura do nascimento do primeiro filho tem vindo a aumentar ao longo do tempo. Se em 1979 era comum as mulheres terem o primeiro filho pouco depois de fazerem vinte anos, atualmente só depois dos 30 é que chegam os primeiros filhos.


Create your own infographics

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.