Michael Gove, que foi ministro da Justiça e chanceler durante o governo de David Cameron, não deverá fazer parte da equipa de Theresa May. A constituição da equipa da nova primeira-ministra está a ser conhecida aos poucos, mas está ainda longe de estar fechada. Depois do afastamento “humilhante”, como lhe chama o Daily Mail, do chanceler George Osborne, a equipa está toda a ser reestruturada pela nova primeira-ministra.

Um jornalista do Telegraph avança que a primeira reunião do novo governo deverá acontecer ainda hoje:

Gove foi um dos candidatos à liderança do Partido Conservador, tendo sido eliminado após ficar em terceiro lugar nas eleições internas do partido. O antigo governante ficou atrás de Theresa May e de Andrea Leadsom.

Após a desistência de Leadsom da corrida, chegou a falar-se da hipótese de se fazer a eleição entre May e Gove, mas a primeira classificada na eleição interna, Theresa May, acabou por ser nomeada imediatamente líder do Partido Conservador e primeira-ministra.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Gove publicou uma declaração no Twitter, em que afirma que “foi um enorme privilégio servir nos últimos seis anos”, e desejou “a melhor das sortes ao novo governo”.

Ontem, George Osborne publicou na sua conta do Twitter uma declaração em que reconhece que “foi um privilégio ser chanceler durante estes últimos seis anos”.

“Uns irão julgar – espero ter deixado a economia num estado melhor do que a encontrei“, disse Osborne.

As saídas

Michael Gove não é o único antigo membro do Governo a ser convidado a sair por Theresa May. Nicky Morgan, a antiga secretária da educação de Cameron, já confirmou que também saiu do governo.

A própria já confirmou no Twitter que está “desapontada por não continuar” nos cargos de secretária da Educação e de ministra para os direitos da mulher e da igualdade de direitos.

Também o antigo secretário da cultura, John Whittingdale, abandonou o seu lugar no governo, avança a BBC. Whittingdale disse no Twitter que foi “um privilégio servir como secretário da cultura”, e aproveitou para desejar “todo o sucesso” ao sucessor. “Irei continuar a apoiar as indústrias criativas”, diz Whittingdale, que já abandonou o gabinete.

O jornal britânico The Guardian está a avançar que Oliver Letwin, antigo chanceler do Duque de Lancaster, também foi afastado do cargo.

Demitiu-se também Stephen Crabb, membro do governo e responsável pelo emprego e pensões.

O The Guardian tem uma lista atualizada com todas as saídas e entradas no governo. Até agora, também Theresa Villiers e Tina Stowell, resptivamente secretáriaria para a Irlanda do Norte e líder da câmara dos Lordes, saíram da equipa.

As entradas

Até agora, já são conhecidos alguns nomes do governo de Theresa May: Phillip Hammond será o novo chanceler e Boris Johnson o ministro dos negócios estrangeiros. Da equipa fazem ainda parte Amber Rudd, Michael Fallon e Liam Fox. David Davis vai ficar encarregado de gerir o processo de saída da União Europeia.

A BBC está a avançar alguns dos novos nomes, que estão a ser anunciados esta manhã.

Justine Greening, antiga secretária de Estado para as relações internacionais, será a nova ministra da Educação.

A sua antecessora, Nicky Morgan, afastada do cargo, já reagiu, no Twitter, afirmando que Green é “comprometida com a excelência na educação, igualdades, e fez um excelente trabalho no Departamento para o Desenvolvimento Internacional”.

Elizabeth Truss, conhecida como Liz Truss, deputada do Partido Conservador, será a nova ministra da Justiça.

Notícia atualizada às 12h20 com os nomes dos novos membros do governo.