Guarde o casaco de cabedal no armário porque a 22ª edição do Super Bock Super Rock arrancou esta quinta-feira, dia 14 de julho, super alternativa. O tradicional estilo rockstar deu lugar a peças vintage — algumas emprestadas e outras compradas em segunda mão — que encheram o recinto no Parque das Nações de padrões floridos e óculos de todas as formas e feitios. Neste ano, as t-shirts dos Guns N’ Roses e Rolling Stones ficaram em casa mas não faltaram vestidos e camisas oversized a esvoaçarem ao som de The National, Disclosure e The Temper Trap. Inês Santos, de 26 anos, conjugou isso tudo e mais uma gargantilha ao pescoço (a peça-chave deste verão) que lhe conquistou o título de melhor look do primeiro dia.

FÁBIO PINTO/OBSERVADOR,

Óculos de sol, gargantilha ao pescoço e um vestido comprido com motivos florais foi a escolha de Inês Santos para ver Disclosure ao vivo. (foto: Fábio Pinto/Observador)

A par de conjuntos irreverentes, desfilaram tendências como apanhados à samurai e camisolas com emblemas (ou patches autocolantes) pelos quatro palcos do recinto. “No bad vibes”, colou Catarina Oliveira na mala para afastar as más energias e atrair boa disposição ao longo dos três dias do festival. De pulseira no braço, a jovem de 20 anos ainda escolheu uns calções pretos (e uma t-shirt às riscas) para sobreviver aos 32 graus que se faziam sentir durante a tarde. Calor suficiente para os mais corajosos trazerem roupa de praia e considerarem molhar os pés à beira-rio junto à nova zona de descanso chamada Chill Out.

FÁBIO PINTO/OBSERVADOR,

Personalizar está na moda e a prova disso é que perdemos a conta à quantidade de “patches” que Catarina Oliveira tem na mala. (foto: Fábio Pinto/Observador)

Quem nunca descansou foi mesmo o estilo que se passeou com conjuntos citadinos pensados especialmente para um festival que, depois de quatro anos no Meco, desistiu da areia e voltou à cidade. Logo não será de estranhar que, nos pés, se tenham visto mais ténis (cheios de pinta e até com pintas coloridas) do que sandálias. O tipo de calçado ideal para dançar ao som de Jamie XX e andar no espaço do recinto que foi ampliado em comparação com o ano passado. A boa notícia é que, como a lotação máxima se mantém fixada nas 20 mil pessoas por dia, pode levar uns ténis tão originais como os de Salome Liluashvili sem lhos pisarem.

FÁBIO PINTO/OBSERVADOR

Os ténis tão cheios de pinta(s) como os de Salome Liluashvili merecem um lugar fixo na lista dos melhores looks dos festivais deste verão. (foto: Fábio Pinto/Observador)

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O Observador agarrou na máquina fotográfica e andou, de palco em palco, na zona nobre do Parque das Nações à procura dos festivaleiros com pinta. Em fotogaleria, reunimos os melhores looks do primeiro dia onde o estilo alternativo brilhou tanto como as cabeças de cartaz.