Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Macaulay Culkin, o ator que deu vida ao famoso Kevin McCallister, de Sozinho em Casa, desmentiu alguns dos mitos sobre a sua vida adulta numa rara entrevista, ao jornal britânico The Guardian. O ator, de 35 anos, falou das drogas, dos paparazzi e do seu regresso aos ecrãs.

A mais recente aparição de Culkin é num anúncio da empresa Compare the Market, um site britânico de comparação de preços. O ator admitiu que “foi divertido”, apesar de não ser um trabalho que faz por paixão: “A maior cena sou eu, sentado num banco, a comer gelado”.

O anúncio “não é necessariamente” uma forma de financiar novas aventuras. “As pessoas sentem que têm de estar sempre em movimento ou afogam-se”, explica. “Nunca tive problemas em dizer que não tenho nada planeado”, confessa Culkin, e admite que não é muito ativo: “Se eu soubesse o que queria fazer, escrevia-o eu”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Michael Jackson, drogas e o divórcio dos pais

O jornalista do The Guardian que fez a entrevista enumera as dificuldades que teve com “o assessor super-protetor” de Culkin. “Quis ver todas as minhas questões com antecedência”, escreve o repórter Rhik Samadder. Depois de recusar, o jornalista terá recebido instruções “para evitar tudo o que seja negativo”. A entrevista era supostamente sobre o regresso de Culkin, mas não poderiam faltar assuntos como os rumores sobre o consumo de drogas, a relação com Michael Jackson e a vida desregrada que o ator parece levar.

Há dez anos, a estrela de Sozinho em Casa testemunhou no julgamento de Michael Jackson sobre abusos de menores. No tribunal, o ator reconheceu que, em criança, partilhou a cama com o cantor. “Ele nunca me molestou, penso que eu me aperceberia se alguma coisa desse género acontecesse”, declarou na altura.

O tema, agora, parece tabu para a equipa que acompanha o ator. “Não é que seja um assunto doloroso”, começa Culkin, sendo logo interrompido pela assessora. A insistência dela e de um responsável de relações públicas também presente acabaram por matar o assunto. A conversa seguiu para a vida atual de Culkin.

“Os paparazzi vêm atrás de mim porque eu não me exibo”, afirmou o ator, que há dez anos que recusa entrevistas, e foi viver para Paris, onde não é tão frequentemente abordado.

Depois de se ter tornado no ator infantil mais bem sucedido de sempre, com os filmes de “Sozinho em Casa”, Culkin tem tido uma vida discreta, pontuada por alguns rumores. O ator emancipou-se aos 14 anos, depois de os seus pais se terem divorciado e lutado pela fortuna do filho.

As suspeitas de consumo de drogas abateram-se sobre Culkin na altura em que se separou da atriz Mila Kunis. “Chateou-me que os tabloides tenham envolvido tudo numa espécie de disfarce de preocupação”, explicou na entrevista, garantindo que não andou a tomar heroína.

Em 2012, muitos jornais publicaram fotografias do ator com um aspeto magro e doente, e reportagens sobre o alegado consumo de heroína de Culkin. Pareceu plausível, diz o The Guardian, devido às anteriores histórias — o ator chegou a ser detido por posse de marijuana.

Uma banda de pizzas

Por enquanto, o projeto mais notório de Macauly Culkin fora dos ecrãs é a banda The Pizza Underground, que toca músicas dos Velvet Underground substituindo muitas das palavras por “slice” e “cheese”. “É uma daquelas boas ideias que tens quando estás bêbado, acordas e não te lembras. Mas estamos a levar a piada até ao fim. Temos um álbum para sair, um vinil com um coro de crianças, uma orquestra sinfónica. E estamos a oferecê-lo, é o nosso presente para o mundo”, brinca Culkin.

O The Guardian descreve a vida atual de Culkin, que “dorme, acorda tarde, aprecia humor imaturo, anda com amigos que são más influências”, como o aproveitamento da “adolescência que a celebridade lhe roubou”.

Os problemas que teve com os media deram-lhe uma perspetiva de adulto, que lhe permitiu ser a pessoa que é, escreve o jornal. “E eu gosto de mim”, conclui Culkin.