Polícia

Angola vai formar polícias da República do Congo

As formações arrancam ainda este ano, envolvendo licenciaturas em Segurança Pública e Investigação Criminal.

Polícia de Guarda Fronteira, Cinotécnica, de Intervenção Rápida ou Proteção de Individualidades são algumas das especialidades em que a República do Congo quer receber formação

PAULO NOVAIS/EPA

As autoridades angolanas vão garantir a formação de polícias da República do Congo, em várias especialidades, no âmbito de um protocolo de cooperação entre os países, foi anunciado esta segunda-feira.

A informação foi transmitida no âmbito da visita que o diretor-geral da Polícia Nacional da República do Congo, general Jean François Ndengue, realizou a Luanda, para conversações e reuniões de trabalho com o comando da Polícia Nacional de Angola.

Polícia de Guarda Fronteira, Cinotécnica, de Intervenção Rápida ou Proteção de Individualidades são algumas das especialidades em que a República do Congo quer receber formação de quadros por parte de Angola.

“Ficámos muito impressionados pela qualidade das vossas instituições de ensino, exprimimos a nossa vontade de ver os nossos oficiais serem formados no Instituto Superior de Ciências Policias e Criminas de Angola”, disse Jean François Ndengue.

O comandante-geral da Polícia Nacional de Angola, Ambrósio de Lemos, confirmou que esta primeira ação de formação, que se insere no acordo de cooperação assinado entre as polícias dos dois países em 2015, arranca ainda este ano, envolvendo licenciaturas em Segurança Pública e Investigação Criminal.

No encontro entre os comandos das duas polícias, que decorreu no domingo na capital angolana, foram ainda analisados crimes transfronteiriços entre os dois países.

É o caso da violação de fronteiras, nomeadamente por famílias que vivem em cada um dos territórios (Angola partilha fronteira com a República do Congo no enclave de Cabinda). Para o efeito, Ambrósio de Lemos admitiu a necessidade de acordos bilaterais que permitam à população residente junto à fronteira aceder ao país vizinho sem necessidade de visto prévio e por períodos de tempo limitados.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)