O irmão da estrela das redes sociais, Qandell Baloch, afirmou que se sente orgulhoso de ter morto a irmã porque “as mulheres nasceram para ficar em casa”. A mulher de 25 anos foi estrangulada na sexta-feira na casa da sua família em Multan, no Paquistão. O irmão foi preso, após ter estado algum tempo em fuga. No vídeo de confissão, Wasseem Baloch não mostra remorsos: “Estou orgulhoso do que fiz. Eu droguei-a, primeiro, e depois matei-a. Ela trazia desonra à nossa família.”

Qandeel tornou-se famosa pelos vídeos que colocava no Facebook, onde tinha mais de 750 mil seguidores, e por ser uma defensora dos direitos das mulheres. O irmão, Waseem, não suportava ver os seus amigos a partilharem fotografias e vídeos da irmã, defendendo que “as mulheres nasceram para ficar em casa e seguir as tradições”.

Os vídeos de Qandeel não eram muito diferentes dos milhares que surgem na Internet em todo o mundo. A paquistanesa falava para a câmara sobre penteados, celebridades ou outros aspetos da sua vida, embora com uma abordagem cada vez mais política.

O Paquistão é um dos países do mundo onde a disparidade de géneros é maior e onde os crimes cometido em nome da defesa da honra são um grave problema nacional. Nos primeiros cinco meses de 2016, cerca de 200 mulheres foram assassinadas em nome da “honra”.