O Prémio Literário Fundação Eça de Queiroz/Romance, no valor de 5.000 euros, que será atribuído em 2017, visa “promover e incentivar a produção de obras literárias em língua portuguesa”, disse à Lusa fonte da organização.

O concurso abre no dia 09 de setembro próximo e encerra a 01 de fevereiro de 2017, devendo o vencedor ser conhecido “na primeira semana de setembro de 2017”, e romance vencedor será publicado pela Editorial Presença.

O Prémio Literário Fundação Eça de Queiroz distingue “um romance inédito de autor de língua portuguesa”, de qualquer nacionalidade, segundo o regulamento, ao qual a Lusa teve acesso.

O galardão é instituído pela Fundação Eça de Queiroz (FEQ) e pela Câmara Municipal de Baião, que o patrocina, e é coordenado pela Editorial Presença, pela primeira vez, este ano.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

As obras concorrentes, segundo o documento, devem ser inéditas e apresentadas em duas cópias em papel, no formato A4, acompanhadas de gravação em suporte digital — “pen” ou CD.

“Cada concorrente será identificado com pseudónimo, não podendo haver qualquer referência à identidade do autor no original”, lê-se no mesmo regulamento, que estará disponível no sítio da Fundação em www.feq.pt.

O júri será constituído por um representante da FEQ, um da câmara de Baião, e “três personalidades destacadas da literatura e cultura portuguesas”, designadamente os escritores Dulce Maria Cardoso, Bruno Vieira Amaral e a crítica literária Luísa de Mellid-Franco.

À Editorial Presença caberá também a constituição de uma comissão que realizará a leitura das obras admitidas a concurso, para apurar os finalistas, no máximo de dez, a apresentar ao júri, disse à Lusa fonte da organização.

O Prémio da FEQ alterna a categoria Romance com a de Ensaio. O vencedor do Prémio de Ensaio, relativo a este ano, será “ainda conhecido esta semana”, disse à Lusa fonte da FEQ.

Na edição de 2015, o Prémio FEQ/Romance não foi entregue, por o concorrente ter violado as regras inscritas no regulamento, nomeadamente “no que diz respeito à obrigatoriedade de não apresentação da obra literária em causa a outros concursos do mesmo género”, explicou a mesma fonte.