Ela diz que passa os dias a fazer vinagre de maçã na cozinha e que leva uma vida “humilde e modesta” de acordo com os princípios muçulmanos. Mas afinal Emine Erdogan, primeira-dama turca, compra chá branco genuíno por 1.778 euros por quilo e bebe-o em chávenas de ouro no valor de quase 300 euros cada uma. É a vida de socialite da mulher de Tayyip Erdogan, o presidente da Turquia, que tem uma fortuna avaliada em 165 milhões de euros num país mergulhado na extrema pobreza: dois milhões de pessoas vivem com 3,60 euros por dia.

A imprensa – não a estatal, claro está – adjetiva-a de “shopahólica”, uma completa viciada em compras. Chegou a fechar um centro comercial inteiro em Bruxelas para poder estar à vontade nas lojas e gastou 44 mil euros em antiguidades numa visita oficial do presidente turco a Varsóvia, na Polónia. Foi um investimento que Emine fez para a decoração do palácio Erdogan construído nos arredores da capital turca, Ancara.

Um palácio que ocupa mais de 4 quilómetros quadrados de área e que custou mais de 593 milhões de euros a erguer. Forrar as paredes a papel custou 2370 euros e as largas portas da luxuosa habitação valem 6 milhões de dólares. E estas são as portas especiais. As outras 450, digamos normais, custaram um total de 31 milhões de euros. As opiniões divergem: uns dizem que o palácio é tão luxuoso que nem Saddam Hussein se lembraria de tanto requinte, ele que era famoso pela extravagância das suas casas; outros comparam o palácio dos Erdogan a uma luxuosa estância do tempo do Império Otomano.

O Palácio Branco, nome pelo qual o edifício foi batizado, custou o dobro do que estava estimado. Mas Erdogan justificou os números astronómicos com um argumento patriótico: ele seria o símbolo da prosperidade da Turquia. Depois, vinha resolver um alegado problema no antigo palácio presidencial: estaria cheio de baratas e era “inabitável”. E, além disso, o novo seria feito de materiais originários da Turquia. Mas será mesmo? A oposição diz que não: o teto é alemão, o mármore da sala das visitas é indiano, outros materiais são italianos, franceses ou britânicos. E há três árvores no jardim que são holandesas.

Veja na fotogaleria imagens dos jantares da família Erdogan, do novo palácio presidencial e das compras da primeira-dama.