Rádio Observador

Aquecimento Global

2016 pode ser o ano mais quente de sempre

578

Pelo menos a primeira metade de 2016 já é a mais quente desde que há registos. Junho foi o 14.º mês consecutivo em que as temperaturas foram as mais altas de sempre para o mês respetivo.

Regista-se atualmente menos 40% de superfície ocupada por gelo no Ártico, desde que começaram os registos, em 1979

Getty Images

Se as temperaturas continuarem a bater recordes durante este ano, 2016 pode tornar-se no ano mais quente de sempre — mais exatamente desde que começou o registo, em 1880. A análise é da NASA e revela ainda que a temperatura média atual é 1,3ºC mais elevada em relação ao final do século XIX.

Como explica o El Mundo, desde abril de 2015 que todos os meses têm batido os recordes de temperaturas do respetivo mês. O mês passado foi o junho mais quente de sempre — e é necessário recuar 40 anos para encontrar um mês de junho com temperaturas abaixo da média do século XX, assinala o The Guardian.

Além disso, em cinco dos primeiros seis meses do ano, a extensão de gelo no Ártico foi a menor de sempre para os meses respetivos. A exceção foi o mês de março — que fica em segundo lugar na lista dos meses de março com menos gelo no Ártico.

Além da temperatura global, a extensão de gelo na zona do Ártico é um dos mais importantes indicadores das alterações climáticas. Em relação ao ano de 1979, em que começaram os registos, regista-se atualmente menos 40% de superfície ocupada por gelo no Ártico no pico do degelo que ocorre nos meses de verão.

A NASA explica, contudo, que não são os recordes individuais que devem preocupar, mas sim a tendência global do planeta. É que os dez anos mais quentes de sempre aconteceram depois de 1998. O ano de 2015 é o mais quente de sempre — mas tudo indica que será destronado por 2016.

Gavin Schmidt, diretor do Instituto Goddard para Estudos Espaciais da NASA, explicou em conferência de imprensa que “é certo que a marca do El Niño se fez notar este ano, mas os registos são tão excecionais, principalmente no Ártico, que não se podem explicar apenas por este fenómeno no Pacífico”. O El Niño é um conjunto de fenómenos, associados a uma inversão das correntes marítimas, que acontecem com uma frequência irregular, no Oceano Pacífico, e que provocam um aumento das temperaturas da água e dos ventos. Este ano, os fenómenos fizeram-se sentir com bastante intensidade.

“Podemos dizer que 40% do aumento de temperatura em relação a 2015 se deve ao El Ninõ, e 60% se deve a outros fatores”, referiu Schmidt.

O Acordo de Paris sobre as alterações climáticas, assinado em abril, procura evitar que o aumento da temperatura global no fim do século seja superior a 2ºC. Para este especialista da NASA, “os objetivos do Acordo de Paris são a longo prazo, e um ano que registe uma temperatura mais alta não quer dizer que tenhamos já atingido esse limite, da mesma forma que um ano com temperaturas mais baixas não nos livra do problema”.

De acordo com Gavin Schmidt, 2017 deverá ser um ano mais frio, devido ao fenómeno inverso ao El Niño — La Niña –, que irá provocar descidas de temperatura.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Alterações Climáticas

O Triunfo dos Porcos

João Pires da Cruz
673

A ciência não é uma questão de opinião. Não é uma democracia onde se valoriza a liberdade de expressão. Vive de alguma diversidade, mas só na posse de todos os dados, no conhecimento do que está certo

Aquecimento Global

O nosso país a afundar /premium

Alberto Gonçalves
1.342

Grosso modo, é Portugal, que se afunda a uma velocidade com que Tuvalu e a Terra e a Time não sonham. E o melhor é que não precisamos de aquecimento global. O descaramento local é suficiente. 

Ambiente

Feiticeiros ou profetas: conservar ou modernizar?

Tomas Roquette Tenreiro

É o confronto de duas perspectivas - a optimista e a pessimista - sobre como salvar o nosso planeta. A visão de feiticeiros e profetas através da história de dois deles, Norman Borlaug e William Vogt.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)