O presidente da Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela (CIM – BSE), Paulo Fernandes, disse esta quarta-feira que a redução do valor das portagens em algumas autoestradas é “escassa” para as necessidades de desenvolvimento da região.

“Considerávamos que só um aumento perto dos 50% é que, no nosso entender, altera verdadeiramente o comportamento e as expectativas económicas relativamente à utilização dessa infraestrutura. 15%, e até prova em contrário, não vai alterar [esses comportamentos] e como tal consideramos esta redução escassa para aquilo que são as necessidades de desenvolvimento”, disse.

Paulo Fernandes, que também preside à Câmara do Fundão, falava no final da cerimónia de apresentação do Plano de Mobilidade para o Interior, que foi esta quarta-feira realizada na Covilhã, e durante a qual foi anunciado o regime de descontos em algumas autoestradas, num valor global de 15% para todos os veículos.

O autarca assumiu que esta decisão “é sempre melhor do que nada”, mas também se mostrou apreensivo com a eventualidade de a mesma não produzir mudanças significativas em termos da utilização por parte das pessoas ou no contributo para a captação de investimentos.

“Apenas 15% não tem o efeito de chamada necessário e, como tal, não o consideramos suficiente”, reiterou, lembrando o valor que está longe do que era a reivindicação da CIM que pedia uma redução proporcional ao Produto Interno Bruto per capita da região, ou seja, no mínimo de 50%.

Paulo Fernandes mostrou-se, todavia, mais satisfeito por haver um desconto superior para os veículos de mercadorias, bem como relativamente aos descontos ao fim de semana, que, espera, abranjam todos os veículos.

“É uma questão que ainda temos de perceber se está prevista nesta decisão, que teremos o analisar pormenorizadamente, mas que seria muito importante do ponto de vista da coesão e de valorização da área do turística e também na componente do que é a nossa população natural, mas não residente, nos nossos concelhos”, fundamentou.

Além disso, classificou ainda como “muito importante e significativo para toda a região centro o investimento no Corredor Ferroviário Internacional Norte, que também foi esta quarta-feira anunciado na Covilhã.

A CIM-BSE é constituída por 12 municípios do distrito da Guarda (Almeida, Celorico da Beira, Figueira de Castelo Rodrigo, Fornos de Algodres, Guarda, Gouveia, Manteigas, Meda, Pinhel, Seia, Sabugal e Trancoso) e por três do distrito de Castelo Branco (Belmonte, Covilhã e Fundão). A região é servida diretamente pela A25 (Aveiro/Vilar Formoso) e A23 (Guarda/Torres Novas) e pelas linhas ferroviárias da Beira Alta e da Beira Baixa.