Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior lançou um conjunto de iniciativas para promover a Web Summit – maior evento de tecnologia, empreendedorismo e inovação da Europa – no Ensino Superior. O Born From Knowledge ataca em duas frentes: com um concurso de ideias inovadoras baseadas na formação e no conhecimento científico que quer distinguir 100 projetos e a atribuição de 2.000 bilhetes a quem queria trabalhar 6 horas por dia no evento.

“A Web Summit é um encontro de inovação e empreendedorismo e a montante dessa inovação há um trabalho mais ou menos silencioso, que acontece nos centros de produção de conhecimento – nas universidades, nos politécnicos. O que procuramos fazer, no fundo, é contar, exemplificar e explicar como é que chegamos a essa inovação”, explicou ao Observador Fernanda Rollo, secretária de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.

Quem quiser concorrer às iniciativas tem até 31 de julho para o fazer. Para ser um dos 2.000 beneficiários do Web Summit Students, os estudantes devem ter, no mínimo, 18 anos, estudar numa Instituição de Ensino Superior portuguesa, interessar-se por startups, tecnologia, produção e eventos, ser fluente em inglês (fluência noutras línguas também é valorizada), ter boa capacidade de comunicação, forte espírito de equipa, pontualidade e flexibilidade.

Ao receberem o bilhete – cujo preço oscila entre os 600 e os 900 euros -, os estudantes podem aceder a todas as atividades que constam no programa do evento, mas comprometem-se a colaborar num turno diário de seis horas.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Convidamos os alunos para que possam compreender, ser parceiros e estarem associados àquilo que é o desembocar da sua investigação. Porque a inovação só existe quando é aplicada ao mercado. Antes, há um trabalho que é de estudo”, explicou a secretária de Estado.

Quanto ao Ideas Web Summit, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior anda à procura ideias inovadoras baseadas na formação e no conhecimento científico – por estudantes de mestrado ou doutoramento e investigadores -, com viabilidade de negócio e uma dimensão social ou cultural. Objetivo: aproximar os estudantes universitários das oportunidades geradas pela Web Summit 2016. Vão ser premiadas 100 ideias.

Os vencedores, escolhidos por um júri de cinco elementos – José Carlos Caldeira (presidente da Agência Nacional de Inovação), Susana Sargento (cofundadora da Veniam), Marco Bravo ( diretor de projeto na IC² Institute of The University of Texas, em Austin), Nuno Nunes (docente na Universidade da Madeira) e Teresa Mendes (presidente do Instituto Pedro Nunes) -, são conhecidos a 10 de setembro. São premiados com bilhetes gerais para o evento e com a participação num programa de imersão da Agência Nacional de Inovação.