Rádio Observador

Ecologia

Quercus diz que Portugal pode falhar meta de recolha de pilhas devido a atuação de Ecopilhas

No total, para um mercado de 1.802 toneladas de pilhas e acumuladores portáteis, Portugal efetuou recolhas de 616 toneladas.

A Quercus "está preocupada, pois [a situação] pode colocar em causa a meta de recolha de 45% estipulada para 26 de setembro" para Portugal

PEDRO PINA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A Quercus alertou esta quarta-feira que Portugal pode não cumprir a meta de recolha de pilhas usadas fixada para setembro, se a entidade gestora com maior peso no mercado, a Ecopilhas, mantiver a estagnação da atividade.

Nos últimos três anos, a Ecopilhas “viu estagnar a recolha de pilhas e acumuladores portáteis ” e, considerando que esta entidade representa cerca de 70% do mercado, a Quercus “está preocupada, pois [a situação] pode colocar em causa a meta de recolha de 45% estipulada para 26 de setembro” para Portugal, refere a associação de defesa do ambiente.

Segundo os dados recolhidos pela Quercus, no ano passado, a Ecopilhas, que representa um mercado de 1.251 toneladas, recolheu 325 toneladas de resíduos de pilhas, não ultrapassando 24%, a ERP (316 toneladas) ficou com 119 toneladas, chegando a 49%, e a Amb3e (188 toneladas) atingiu 56%.

Assim, no total, para um mercado de 1.802 toneladas de pilhas e acumuladores portáteis, Portugal efetuou recolhas de 616 toneladas, ficando em 35%, acima do objetivo de 25% para aquele ano, mas aquém da meta de setembro de 2016.

Contactado pela agência Lusa, o diretor geral da Ecopilhas, Eurico Cordeiro, disse que, atualmente, “as três entidades gestoras recolhem, no seu conjunto, o mesmo que a Ecopilhas recolheu, enquanto entidade única, em 2009”.

Em 2010, foram atribuídas mais duas licenças de gestão de pilhas usadas, mas, “na sua globalidade, [a recolha] não aumentou”, salientou Eurico Cordeiro, explicando que aquelas entidades “não desenvolveram um circuito de recolha próprio que seja alternativo” ao existente, “limitando-se a recolher pilhas e acumuladores nos canais onde a Ecopilhas já está presente”.

Aquelas entidades gestoras, referiu, fazem “uma pressão junto dos operadores de gestão de resíduos, de cadeias de supermercados e de alguns SMAUT’s (Associações de Municípios e Sistemas Multimunicipais), o que afeta os resultados de recolha da Ecopilhas, e “em nada tem contribuído para a melhoria global da recolha de pilhas e acumuladores portáteis em Portugal”.

Os ambientalistas prometem questionar o Ministério do Ambiente acerca do trabalho desenvolvido junto das três entidades gestoras deste fluxo de resíduos, principalmente da Ecopilhas, “para que daqui a dois meses Portugal não falhe as metas de recolha de pilhas e acumuladores portáteis”.

A Quercus explica que, como os dados disponibilizados pela Agência Portuguesa do Ambiente (APA) são de 2013, o que considera “um péssimo indicador”, a informação que divulga para 2014 e 2015 resulta da análise dos relatórios anuais de atividade das entidades gestoras.

Recorda ainda que o Estado português está obrigado a controlar anualmente as taxas de recolha e a enviar relatórios à Comissão Europeia nos seis meses seguintes ao final de cada ano.

A Lusa pediu ao ministério liderado por João Matos Fernandes um comentário sobre esta situação, mas ainda não obteve resposta.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Minas

O início da responsabilidade na indústria mineira

António Matos

Quando Portugal surge em relatórios internacionais como uma potência cimeira em termos de riqueza geológica, deverá ser estratégico não deixar que investidores responsáveis optem por não investir aqui

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina
134

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)