536kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 32.99/mês aqui.

Desempregados inscritos nos centros de empregos caem para valor mais baixo desde 2009

Este artigo tem mais de 5 anos

O número de desempregados inscritos nos centros de emprego recuou em junho para 511.642, revela o IEFP. A diminuição verifica-se tanto em relação ao mês anterior, como em relação a junho de 2015.

i

JOAO RELVAS/LUSA

JOAO RELVAS/LUSA

O número de desempregados inscritos nos centros de emprego recuou para 511.642, o valor mais baixo desde setembro de 2009, mostram os dados revelados esta quinta-feira pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP). A diminuição verifica-se tanto em relação a maio (a queda foi de 4,4%), como face ao mesmo mês de 2015 (uma diminuição de 4,7%).

A diminuição do número de desempregados inscritos foi generalizada, tendo-se verificado tanto entre os homens, como entre as mulheres, entre os jovens e os adultos.

Os dados do IEFP mostram ainda que, ao longo do mês de junho, houve 49.496 novas inscrições de desempregados, um valor mais baixo do que o verificado durante o mês de maio, quando procuraram os centros de emprego 50.006 desempregados. Em junho do ano passado, o fluxo de novas inscrições foi de 53.650.

As inscrições nos centros de emprego variam consoante a evolução da taxa de desemprego, mas não só: também as políticas ativas de emprego podem constituir um incentivo para o aumento ou a diminuição das inscrições já que para beneficiarem de apoios ou formação os desempregados têm de estar inscritos.

Estes são dados administrativos que dão conta apenas dos desempregados inscritos nos centros de emprego. São números que diferem, por isso, das estimativas do Instituto Nacional de Estatística (INE), que visam identificar o total de pessoas à procura de emprego, independentemente de estarem, ou não, inscritas nos centros de emprego. Segundo a estimativa mensal do INE, a taxa de desemprego terá sido de 11,6% em maio (os dados de junho ainda não estão disponíveis), o mesmo valor que já tinha sido verificado em abril e abaixo dos 12% de março.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.