Rádio Observador

Presidência da República

Marcelo chama partidos e parceiros sociais para avaliar situação política nacional

1.028

O Presidente convocou os partidos e os parceiros sociais para reuniões no início da próxima semana. Marcelo quer avaliar a atual "situação política nacional".

Marcelo Rebelo de Sousa quer saber o que correu mal na eleição de Correia de Campos para presidente do CES

JOSÉ COELHO/LUSA

O Presidente da República quer ouvir os partidos e os parceiros sociais no início da próxima semana. Marcelo Rebelo de Sousa marcou reuniões para segunda-feira com os partidos políticos e para terça-feira com os parceiros sociais. Segundo confirmou fonte oficial da Presidência da República ao Observador, o objetivo é avaliar “a situação política nacional”.

Entre as preocupações do Presidente está, desde logo, o início das negociações para o Orçamento do Estado para 2017. A questão das sanções comunitárias aos resultados orçamentais atingidos em 2015 ainda não está arrumada, uma vez que a Comissão tem pressionado o Governo de António Costa a tomar mais medidas já este ano, como sinal do compromisso de Portugal para com as regras europeias.

É a grande ocasião para ouvir todos os partidos e todos os parceiros sociais. Vou perguntar-lhes como é que viram esta sessão legislativa que terminou e como é que veem a que vai começar. Como é que viram a execução do Orçamento de 2016 e como é que veem o Orçamento para 2017″, disse Marcelo, esta quinta-feira, aos jornalistas.

Além disso, adiantou o Presidente, ouvidos os partidos e os parceiros Marcelo fica “em condições de ter um retrato global do país político, económico e social”. Ou seja, fica com “a exata noção de quais são os problemas para os partidos e para os parceiros e também quais são as estratégias, orientações, como é que se vão comportar nos próximos meses, nomeadamente até ao final do ano“.

Marcelo Rebelo de Sousa aproveitou ainda para afastar o fantasma das eleições antecipadas, frisando que não antecipa nenhuma crise política uma vez que a execução orçamental está, por enquanto, “sob controlo”, e as últimas sondagens não indicam qualquer alteração significativa.

Mas os encontros não serão só marcados pelos temas orçamentais. Segundo apurou o Observador, o Presidente também vai querer discutir o episódio do fracasso da eleição de Correia de Campos para a presidência do Conselho Económico e Social (CES).

A eleição deveria ter ocorrido ontem, na Assembleia da República: PS e PSD tinham chegado a acordo sobre o nome a propor para a liderança do CES. Contudo, contados os votos, o número de deputados favoráveis a António Correia de Campos, ex-ministro da Saúde, não foi suficiente. Dos 221 deputados que participaram, apenas 105 votaram “sim”. Houve 93 votos brancos e 23 nulos.

Como o voto é secreto, não é possível apurar com certeza o que aconteceu. Deputados do PS acusaram o PSD de ter rasgado o acordo, enquanto deputados sociais-democratas assumiram que houve algumas votações em branco, mas frisaram que teriam sido insignificantes se os socialistas, comunistas e bloquistas tivessem votado unidos.

Artigo atualizado às 20h30 com as declarações do Presidente da República.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)