Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Os dez suspeitos detidos, esta quinta-feira, por suspeita de estarem a preparar um ataque terrorista no Brasil durante os Jogos Olímpicos foram transferidos para o prisão federal de Campo Grande, avança o site G1. O local recebe presos que representam “um alto perigo” para o país, segundo descreve a publicação.

O Ministério Público Federal, citado pelo jornal Estadão, informou que a transferência “efetivará a prevenção de atuação terrorista pelo grupo em questão durante o evento internacional sediado no país”.

De acordo com o ministro da Justiça brasileiro, Alexandre de Moraes, o grupo era uma “célula absolutamente amadora”, não tinha “nenhum prepação” anterior para a realização de ataques e não se conheciam pessoalmente. O contacto entre os suspeitos “dava-se essencialmente por meio de redes sociais, Telegram e demais modos de comunicação virtual” e dois deles terão feito um juramento de fidelidade ao Estado Islâmico, relatou Moraes aos órgãos de comunicação brasileiros.

Segundo o procurador da República responsável pelo caso, Rafael Brum Miron, numa conferência de imprensa realizada esta quinta-feira, “as provas colhidas até ao momento possibilitam o enquadramento dos investigados, no mínimo, nos tipos penais que estipulam ‘promover’ ou ‘integrar’ organização terrorista como crime”. No entanto, reconhece que “embora se tenha constatado indícios de atos preparatórios pelo grupo, não houve notícia de atos concretos para a realização de ataque terrorista”.

Estas detenções foram as primeiras realizadas no Brasil relacionadas com suspeitas de ligações com grupos terroristas, a partir da Operação Hashtag, iniciada esta quinta-feira com o objetivo de investigar a integração e promoção de brasileiros no Estado Islâmico. Foram cumpridos 31 mandados judiciais, entre detenções, buscas e conduções coercitivas [levar um suspeito para depoimento]. Foram emitidos 12 mandados de prisão – dois suspeitos ainda estão a ser localizados. Os suspeitos ficarão detidos por 30 dias, “prorrogáveis uma vez por igual período”, segundo o Ministério Público do Brasil.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR