Os vizinhos adultos de Ali David Sonboly descreveram o atirador de Munique como um miúdo relativamente normal, ainda que muito resguardado e “um pouco nervoso”. A descrição mais negativa que um dos vizinhos fez foi que parecia ser “preguiçoso”, por ter tido um emprego a distribuir jornais gratuitos mas ter, segundo o vizinho, preferido colocá-los todos no caixote do lixo. Contudo, uma descrição totalmente diferente é feita por quem partilhava os bancos da escola com Ali David — o jovem era vítima de bullying e várias vezes avisou: “um dia, mato-vos a todos”. A polícia diz que o massacre estava a ser planeado há cerca de um ano pelo jovem, que chegou a estar internado numa clínica psiquiátrica.

“Ele sempre disse que um dia nos ia matar”, afirmou ao Daily Mail uma ex-colega do jovem que chamava a si próprio “o Psycho” nos jogos online de combate que frequentava. Um solitário, obcecado por computadores e jogos de tiros, Ali David terá sido, segundo os colegas, várias vezes incomodado por alguns colegas. “Ele não era uma pessoa bem vista na escola, só tinha dois ou três amigos que passavam algum tempo com ele”, diz uma colega.

Numa discussão recente com colegas de escola e vizinhos, o atirador de Munique deixou claro que tencionava, um dia, levar a cabo um massacre. “Um dia, mato-vos a todos”, terá dito, de acordo uma colega que, segundo o Daily Mail, chegou a ver Ali David horas antes do massacre.

Ele estava só de pé, a olhar para o chão. Normalmente costumava dizer olá, mas nesse dia nem olhou para mim quando passei por ele”.

3689428500000578-3704563-Sonboly_was_a_loner_who_had_no_qualifications_and_was_obsessed_w-a-11_1469295674194

Uma nova foto que surgiu de Ali David Sonboly. (Imagem: Daily Mail)

Novas informações transmitidas pela polícia, citadas pela BBC, indicam que Ali David Sonboly estava a planear o ataque há cerca de um ano. Um comportamento típico nestes casos, segundo vários especialistas que falaram com os jornais nos últimos dias. A arma, uma Glock de 9mm que tinha o número de série raspado, terá sido comprada pela Internet — no submundo da Internet conhecido como a Deep Web.

O caso está a levar vários responsáveis políticos na Alemanha a exigir um controlo mais apertado. Sigmar Gabriel, vice-chanceler alemão, diz que deve ser feito “tudo o que for possível” para limitar o acesso a armas mortíferas. E Thomas de Maiziere, ministro da Administração Interna, disse que existem planos para rever as leis associadas à posse de armas na Alemanha.

“Não liguem. É o Ali Sonboly”

Uma tese da investigação que já terá sido validada pelas autoridades policiais é que Sonboly, conhecido pelos adultos como “o filho do taxista”, terá colocado um post na rede social Facebook a oferecer comida gratuita no restaurante McDonald’s onde viria a cometer o crime. O post foi feito em nome de um perfil falso que Sonboly terá criado, de uma rapariga chamada Selima Akim.

Segundo a Sky News, alguém terá percebido. Ainda antes do sucedido, um jovem terá respondido ao post de “Selima Akim” alertando que “isto é uma conta falsa criada por um miúdo chamado Ali Sonboly. Não criem expectativas” de que haveria comida grátis naquele McDonald’s às 16 horas.

“O rapaz é psicologicamente perturbado e só quer atenção”, disse o jovem, que percebeu do que se tratava.

A polícia alemã acrescentou, este domingo, que Ali David Sonboly terá visitado a vila de Winnenden, onde houve em 2009 um tiroteio semelhante, para tirar fotografias e preparar o massacre que viria a concretizar a 22 de julho de 2016.

Numa curta conferência de imprensa, a polícia deu, também, mais detalhes sobre que a tratamentos psiquiátricos Sonboly terá sido sujeito. O jovem chegou a estar internado durante dois meses numa clínica psiquiátrica, em 2015, e depois continuou a receber terapia enquanto paciente externo.