292kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica. Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Poupe na sua eletricidade com o MEO Energia. Simule aqui.

Homem que matou 19 pessoas no Japão esteve internado. Foi considerado perigoso, mas saiu

Este artigo tem mais de 5 anos

Um homem entrou num centro para pessoas com deficiência em Sagamihara, no Japão, e esfaqueou até à morte 19 pessoas. Atacante foi considerado perigoso, esteve internado, mas saiu.

Imagem publicada pela NHK, estação de rádio japonesa, do local onde se encontra a clínica para pessoas com deficiência em Sagamihara, cidade que dista cerca de 50 quilómetros de Tóquio, no Japão
i

Imagem publicada pela NHK, estação de rádio japonesa, do local onde se encontra a clínica para pessoas com deficiência em Sagamihara, cidade que dista cerca de 50 quilómetros de Tóquio, no Japão

AFP/Getty Images

Imagem publicada pela NHK, estação de rádio japonesa, do local onde se encontra a clínica para pessoas com deficiência em Sagamihara, cidade que dista cerca de 50 quilómetros de Tóquio, no Japão

AFP/Getty Images

19 pessoas morreram e 20 ficaram feridas com gravidade num centro de deficientes mentais no Japão na sequência de um ataque de um homem armado com uma faca, segundo o balanço mais recente dos bombeiros e da polícia.

Um homem entrou esta segunda-feira numa instituição para pessoas com deficiência em Sagamihara, cidade localizada a cerca de 50 quilómetros de Tóquio, no Japão, e esfaqueou 19 pessoas até à morte.

“Os médicos confirmaram a morte de 19 pessoas”, disse um porta-voz dos bombeiros citado pela agência de notícias AFP. Outras 25 pessoas ficaram feridas, 20 delas com gravidade, segundo a mesma fonte. A polícia confirmou os 19 mortos, mas aponta para 45 feridos, 20 em estado considerado grave, segundo a agência japonesa Kyodo.

O atacante é um homem de 26 anos que já trabalhou no centro de deficientes, localizado num subúrbio muito povoado de Tóquio (Sagamihara). O homem, que se entregou polícia depois do ataque assumindo a culpa, esteve internado recentemente num hospital psiquiátrico, por ser considerado perigoso, adiantaram entretanto as autoridades locais.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Quando se entregou às autoridades, o suspeito terá afirmado que queria “os deficientes fora deste mundo”, segundo fontes policiais citadas pela imprensa japonesa. O homem despediu-se do cento de deficientes a 19 de fevereiro passado, onde trabalhava desde 2012, revelou um porta-voz da câmara municipal local.

Nesse mesmo dia, a polícia alertou a câmara para a possibilidade de o homem cometer um ato violento, depois de ter tentado entregar uma carta a um deputado local, em que manifestava a intenção de “matar 470 deficientes pelo bem do Japão”, segundo as autoridades locais.

Suspeito libertado após 12 dias internado

“As vidas das pessoas com múltiplas deficiências são extremamente difíceis e, por isso, o meu objetivo é conseguir um mundo em que essas pessoas recebam a eutanásia com o consentimento de um tutor”, escreveu o homem, na mesma carta.

Por causa deste episódio, foi submetido a testes médicos e internado num hospital psiquiátrico, com os médicos a considerarem-no perigoso, disse o porta-voz do município. A 2 de maio passado teve alta, após 12 dias de internamento, por os psiquiatras terem concluído que tinha melhorado e que já não representava perigo. As autoridades não tinham voltado a receber queixas relacionadas com o seu comportamento.

As instalações tinham cerca de 150 residentes na altura do ataque quando estavam em funções oito funcionários. As vítimas tinham idades entre os 19 e os 70 anos, de acordo com a agência Kyodo que cita o departamento de controlo de acidentes da cidade de Sagamihara. Um médico citado pela televisão NHK afirmou que os pacientes estavam psicologicamente em estado de choque e não conseguiam falar.

As autoridades chegaram ao local às 2h30 japonesas, na madrugada de segunda para terça-feira — ou seja, às 18h30 de Portugal Continental. A polícia terá sido avisada para o sucedido por um dos trabalhadores da instituição, via telefone. Não existe qualquer informação que aponte para que este ataque tenha alguma motivação política ou religiosa.

https://www.youtube.com/watch?v=N_q5Ck0zBlY

O Japan Times, citando um relato ouvido na NHK, escreve que um morador vizinho da clínica terá avistado um homem de cabelo loiro e vestido “com roupas escuras” a entrar no edifício.

Cerca de meia hora após as autoridades serem alertadas, o suspeito entregou-se numa esquadra da cidade, transportando as facas usadas no ataque cobertas com sangue. As autoridades confirmaram que o homem revelou ser um antigo funcionário da instituição, chamada Tsukui Yamayuri-en, que trabalhou na cozinha da clínica.

Este tipo de ataque é considerado raro no Japão, um país onde existe um controlo muito restrito da propriedade de armas de fogo. Em maio, recorda o Daily Mail, uma cantora pop japonesa, Mayu Tomita, foi esfaqueada por um fã por, alegadamente, ter devolvido um presente que este lhe tinha enviado. Em março de 2015, cinco pessoas com idades entre os 60 e os 80 foram mortas da mesma forma em Suwoto, cidade na ilha de Awaji, em várias casas.

Sagamihara é a terceira maior cidade da prefeitura de Kanagawa, no Japão, atrás de Yokohama e Kawasaki. Em 2012, ano do recensamento mais recente, tinha pouco mais de 719 mil habitantes. A cidade acolhe uma base militar norte-americana, em Sagami, onde ocorreu uma explosão em agosto de 2015.

Recomendamos

A página está a demorar muito tempo.