Rádio Observador

Alemanha

Bombista suicida de Ansbach apresentou-se como pacifista ao pedir asilo na Alemanha

486

O bombista suicida de Ansbach apresentou-se como pacifista quando pediu asilo, ao dizer às autoridades alemãs que tinha saído da Síria porque não queria empunhar armas contra outros seres humanos.

DANIEL KARMANN/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O bombista que se fez explodir perto de um festival de música em Ansbach (sul) no domingo, causando 15 feridos, chamava-se Mohyammed Daleel, era natural de Alepo, uma das cidades mais afetadas pela guerra na Síria, de acordo com atas que tiveram acesso alguns meios de comunicação locais.

Segundo relatou às autoridades alemãs aquando do pedido de asilo, um míssil atingiu a sua casa, tendo ficado ferido, pelo que resolveu sair do país para a Turquia. Depois, como falhou a tentativa de chegar à Europa, voltou à Síria, onde revelou ter pedido asilo, mas acabou por ser detido, várias vezes, tanto pelas forças do regime do Presidente Bachar Al Asad, como por militantes da Al- Qaida.

O Estado Islâmico revelou entretanto um vídeo do suposto bombista suicida esta terça-feira com um discurso prévio sobre o ataque, o que levou as autoridades alemãs a reforçar a investigação aos laços do atacante ao grupo islâmico que já tinha reivindicado o ataque.

A principal questão é a de saber até que ponto a sucessão recente de atentados na Alemanha, e também na França, resulta de atos dos chamados lobos solitários, sem a preparação do Daesh, ou se existem, como nos primeiros atentados terroristas em França e na Bélgica, ligações efetivas com deslocações e treinos em territórios ocupados pelo movimento radical islâmico.

O sírio, de 27 anos, morto na explosão da bomba que transportava, tinha requerido asilo à Alemanha, onde vivia, mas o pedido foi rejeitado há um ano. De acordo com as autoridades locais, o objetivo era cometer um atentado suicida.

Na segunda-feira, o grupo extremista Estado Islâmico (EI) afirmou que o autor do atentado suicida perpetrado no domingo, no sul da Alemanha, era “um dos seus soldados”, indicou a agência Amaq, órgão de propaganda daquele movimento radical.

Antes deste anúncio do EI, o ministro do Interior do governo regional da Baviera afirmou que o autor do atentado, tinha “jurado fidelidade” num vídeo encontrado no telemóvel do bombista suicida.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)