Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O Festival F regressa a Vila Adentro, um espaço histórico da cidade, durante 2 e 3 de setembro. A terceira edição continua a apostar na música portuguesa: todos os artistas são nacionais, com exceção de Criolo, rapper e cantor brasileiro. E embora a música seja protagonista, o festival alarga o leque de atividades para o cinema, o artesanato, as artes plásticas e a animação da rua.

A edição deste ano conta com duas “pressões adicionais”: o evento algarvio foi distinguido pelo Europe Festivals Association com o selo EFFE — Europe for Festivals, Festivals for Europe — e recebeu também o aval do público como “escolha do consumidor” na categoria de Festivais de Música Não Urbanos. O cartaz pode ser um dos fatores responsáveis por parte deste sucesso. “É um festival com artistas de excelência e só com música portuguesa. São intérpretes com grande destaque como Ana Moura, Gisela João e GNR e depois, temos artistas emergentes”, afirmo o presidente da Câmara Municipal de Faro, Rogério Bacalhau, na apresentação do festival. Entre os menos conhecidos do público, mas com provas dadas na música, estão também Da Chick, Best Youth e Sensible Soccers.

O autarca acrescentou ainda que a área do festival cobre cerca de “32 mil metros quadrados” e que nesta edição de 2016 o espaço é ainda maior: “Este ano avançámos para o lado da Sé para criar comodidade a quem nos visita”, confirmou.

O maior desafio do Festival F de 2016 é “consolidar o que têm feito, nomeadamente as várias áreas do evento”, segundo o vice-presidente da autarquia, Paulo Santos. O espaço é um dos elementos fundamentais, do qual não podem abdicar: a alteração do local é “impensável” e a importância de permanecer na Vila Adentro é uma das características diferenciadoras. “É um festival que não invade um espaço, mas insere-se nele”, acrescenta Vasco Sacramento, da organização e produtora Sons em Trânsito.

13 fotos

Os concertos vão estar distribuídos por cinco palcos: Muralhas, Sé, Museu, Castelo e Quintalão. O palco das últimas edições no largo D. Afonso III dá lugar aos concertos junto à Sé de Faro, já que a street food entra também na programação e ocupa o largo.

Até esta terça-feira, os passes gerais estão à venda por 20 euros. Depois, os bilhetes diários custam 15 euros e os gerais estão à venda por 25 euros.