478kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Quem era o padre Jacques Hamel, degolado em Rouen?

Este artigo tem mais de 5 anos

O pároco de 86 anos degolado na sequência do ataque a uma igreja em Saint-Étienne-du-Rouvray, em Rouen, no norte de França era descrito como "um homem bom e de paz, sempre ao serviço dos outros".

O Padre Jacques Hamel foi ordenado em 1958 e celebrou 50 anos ao serviço da igreja em 2008
i

O Padre Jacques Hamel foi ordenado em 1958 e celebrou 50 anos ao serviço da igreja em 2008

Mohammed Chirani/Facebook

O Padre Jacques Hamel foi ordenado em 1958 e celebrou 50 anos ao serviço da igreja em 2008

Mohammed Chirani/Facebook

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Jacques Hamel, o padre degolado por um terrorista em Rouen, na região da Haute-Normandie (no norte da França) era pároco auxiliar da igreja de Saint-Étienne, uma das duas paróquias da vila de Saint-Étienne-du-Rouvray. O ataque à igreja aconteceu depois da celebração da eucaristia, levada a cabo pelo padre Jacques — como era conhecido pelos paroquianos — em substituição do sacerdote responsável, o Padre Auguste Moanda-Phuati que se encontrava em Cracóvia, na Polónia, onde decorrem as Jornadas Mundiais da Juventude.

O sacerdote Jacques Hamel nasceu em 1930 em Darnétal, na região francesa de Seine-Maritime, no nordeste da França. Foi ordenado padre em 1958 e celebrou os seus 50 anos ao serviço da igreja em 2008, refere o jornal Le Figaro citando o site da paróquia.

Pere-jacques-Hamel-2

O Padre Jacques Hamel numa fotografia divulgada pela Diocese de Rouen

“Era um padre corajoso para a sua idade. Os sacerdotes têm o direito de se aposentar aos 75 anos, mas ele preferiu continuar a trabalhar ao serviço das pessoas, porque ainda se sentia forte“, contou emocionado o Padre Auguste Moanda-Phuati ao jornal La Voix du Nord.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O padre Jacques escolheu continuar a exercer o sacerdócio porque sabia que não existiam párocos suficientes e além do mais achava impossível que um padre pudesse algum dia reformar-se verdadeiramente. “Alguma vez se viu um padre na reforma? Vou trabalhar até ao meu último suspiro“, é uma das frases que lhe é atribuída sobre a forma como encarava a sua missão.

“Era uma pessoa muito apreciada, era um homem bom, simples e sem grandes extravagâncias. Beneficiámos muito da sua experiência e sabedoria na paróquia de Saint Étienne. Esteve ao serviço das pessoas toda a sua vida”, disse o padre de origem congolesa sobre o seu auxiliar.

Numa das suas últimas comunicações oficiais aos paroquianos de Saint-Étienne, o Padre Jacques falou da reflexão necessária em tempo das férias e deixou um convite aos fiéis:

Que possamos ouvir nesses momentos o convite de Deus para cuidar deste mundo onde vivemos e fazer dele um lugar mais caloroso, mais humano e mais fraterno”, lê-se na carta.

Muitos dos fiéis que privaram com o Padre Jacques Hamel ou dele receberam sacramentos, têm deixado as suas manifestações de pesar através da rede social Twitter.

https://twitter.com/EmmaTrolet/status/757869965982720000

https://twitter.com/DamssGmS/status/757900503065976833

Era um padre muito popular entre os fiéis. A comunidade católica é muito unida em Saint-Étienne, onde existem duas paróquias. Na temporada de férias, é uma comunidade de apenas 600 fiéis, mas a vida religiosa é muito animada”, disse o capelão da paróquia, Victor Mbeindjock Nola, ao Le Figaro.

Era conhecido por promover o diálogo com o Islão

Mohammed Chirani, presidente da associação “Parle-moi d’Islam” que quer dar a conhecer o Islão como religião de paz e promover o diálogo inter-religioso em França, prestou homenagem ao Padre Jacques Hamel.

“Pelo homem de fé que sempre trabalhou para que pudéssemos viver juntos e promover o diálogo islâmico-cristão, eu rezo a Deus para que te receba na sua infinita misericórdia”, escreve na publicação.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.