Nelson Évora regressa aos Jogos Olímpicos oito anos depois de ter conquistado o ouro no triplo salto em Pequim 2008, com o desejo de trazer “a melhor medalha possível” no regresso do Rio 2016.

“As pessoas sabem, porque já as habituei, que sempre que vou para as principais competições vou com o intuito de fazer o melhor resultado possível e de trazer a melhor medalha possível. Isso foi ao que me predispus desde muito novo, por isso não é agora que isso vai mudar”, sublinhou Nelson Évora, em entrevista à agência Lusa.

O único campeão olímpico português em atividade não quer colocar-se uma meta concreta, preferindo prometer que vai dar o seu melhor.

“Não depende só de mim, depende de muita coisa. Agora, se depender só de mim, é ouro”, assegurou.

Nelson Évora disse sentir-se bastante bem e motivado — “Num ano como este não podia sentir-me de outra forma, porque é um ano de Jogos e penso que todos os atletas assim o estão” -, mas salientou que até à entrada em competição no Rio 2016 tem de ser feito o melhor trabalho possível.

“Pretendo primeiro fazer bons saltos, para depois por a minha fasquia bastante lá em cima”, revelou.

A sua terceira participação olímpica, após Atenas 2004 e Pequim 2008, será, porventura, a mais especial. Obrigado a falhar Londres 2012, o atleta do Benfica colocou definitivamente para trás as sucessivas lesões que o afastaram por longas temporadas das pistas.

À Lusa, Nelson Évora confessou que pensou que não voltaria a pisar o palco da maior competição multidesportiva global.

“Sem dúvida que pensei, porque houve momentos muito críticos na minha recuperação. Eu projetava sempre a minha recuperação para voltar às pistas e houve uma altura em que me foi dito que eu deveria preocupar-me sim com a minha saúde, em vez de preocupar-me com competições. Graças a Deus correu tudo bem, hoje estou aqui, bem de saúde e em muito boa forma para fazer grandes saltos”, concluiu.